Avenida Carlos Gomes, nº 258, Cj: 805

Notícias

Suspensão da Avianca pode cancelar mais de 8 mil voos até o fim do ano


25/05/2019 10:30 - g1.globo.com


Na sexta-feira, a Anac barrou todos os voos da companhia até que ela comprove capacidade para manter as atividades em segurança. Funcionários em balcão da companhia aérea Avianca em aeroporto de São José dos Pinhais (PR) Paulo Whitaker/Reuters/Arquivo Se a operação da Avianca Brasil continuar suspensa até o fim do ano, mais de 8 mil voos podem ser cancelados até lá. Na sexta-feira (24), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) barrou todos os voos da companhia até que ela comprove capacidade para manter as atividades em segurança. De acordo com os dados informados pela própria Avianca para a Anac, a companhia aérea tem 8.646 voos programados até o fim do ano. Em média, são 39 por dia. Veja os direitos dos passageiros em caso de cancelamento e atraso de voo Quarta maior companhia aérea do país, a Avianca Brasil entrou em recuperação judicial em dezembro do ano passado. De lá para cá, a empresa já cancelou milhares de voos, além de suspender a operação em diversos aeroportos. Reduzida, só concentra suas atividades em Congonhas, Santos Dumont, Brasília e Salvador. Na sexta, pilotos e comissários da empresa fizeram uma greve nos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Os funcionários da empresa alegam que não estão recebendo salários e nem o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Pilotos e comissários da Avianca entram em greve Leilão cancelado Um leilão com parte dos ativos da Avianca Brasil estava marcado para 7 de maio, mas foi suspenso por determinação da Justiça. A empresa recorreu da decisão. Azul, Gol e Latam já manifestaram interesse e estavam credenciadas para a disputa. Elas cobiçam, sobretudo, os slots (autorizações de pouso e decolagem). Em abril, os credores da Avianca Brasil aprovaram o plano de recuperação judicial da companhia. Se ainda for adiante, a proposta prevê a divisão da companhia em sete unidades produtivas isoladas (UPIs). A Azul chegou a fazer duas propostas pelos ativos da Avianca Brasil. Em março, ofereceu US$ 105 milhões para comprar parte das operações da companhia, mas em abril anunciou a desistência, acusando Gol e Latam de agirem para evitar a concorrência da ponte aérea São Paulo-Rio de Janeiro, a mais cobiçada do país. Na última proposta, apresentada neste mês, a companhia pediu a realização de um novo processo competitivo com a proposta de uma nova UPI pelo valor mínimo de US$ 145 milhões. A Avianca Brasil se posicionou contra nova proposta de compra feita pela Azul. Initial plugin text



Troca de chutes: as previsões da 6ª rodada


25/05/2019 10:00 - g1.globo.com


Agora virou mesmo goleada. O nosso modelo está afiadíssimo e abriu 15 pontos de vantagem em meu desafio com o Thiago Maranhão no Troca de Chutes. Eu e Thiago acertamos os 2 a 0 do Inter sobre o CSA, mas para o meu adversário foi só. Enquanto ele errou todos os outros nove resultados da quinta rodada, as previsões da Futscience acertaram também o placar de Goiás 1x0 Botafogo e as vitórias do Fluminense, Palmeiras e Ceará. Resultado de momento: 46 a 31. E olha que o Thiago apelou aos especialistas, Grafite e Ana Thaís. Mas o algoritmo, que usa machine learning, isto é, aprende a cada rodada com cada equipe, é implacável: acertou 24 (48%) resultados e cinco (10%) placares nos 50 jogos até agora. O quadro vai ao ar sempre na véspera de cada rodada do Campeonato Brasileiro no programa Trocas de Passes, do Sportv. Acertar o vencedor dá 1 ponto e quem acerta o placar ganha 5. As previsões da sexta rodada: Troca de chutes Samy Dana/Futscience E os placares: Troca de chutes Samy Dana/Futscience E aí, quem vai acertar mais? Domingo a gente confere.



Com alta do Bitcoin, criminosos colocam aplicativos falsos no Google Play


25/05/2019 10:00 - g1.globo.com


Apps fingiam gerar chave criptográfica e usuário recebia endereço para depósitos que pertencia aos golpistas. A fabricante de antivírus Eset divulgou um alerta sobre aplicativos falsos de Android que prometem criar carteiras digitais para criptomoedas. Os programas, que chegaram a ser cadastrados no Google Play, iludem os usuários e informam o endereço de uma carteira que na verdade pertence aos criminosos. Quando o usuário tentar abastecer a carteira com alguma criptomoeda, quem recebe os recursos é o criminoso. Carteiras digitais de criptomoedas funcionam por meio de uma "chave privada" de criptografia. Para uma carteira ser criada, o programa deve gerar uma chave e, a partir dela, criar um endereço que servirá para os recebimentos da carteira. Os aplicativos falsos apenas fingem realizar esse procedimento e informam um endereço de outra carteira cuja chave privada está nas mãos dos criminosos. De acordo com Lukas Stefanko, pesquisador da Eset, dois aplicativos falsos foram detectados no Google Play: Trezor e Coin Wallet. Os dois já foram removidos da loja oficial do Google. Aplicativo falso 'Coin Wallet' tinha boa avaliação no Google Play. Reprodução/ESET O Trezor é um aplicativo verdadeiro de carteiras para Android. Os criminosos cadastraram outro aplicativo com o mesmo nome para enganar quem procurava pelo software original. O Coin Wallet era idêntico ao Trezor falso porque os dois aplicativos fajutos foram criados a partir de um "modelo" idêntico, de acordo com Stefanko. Após o aplicativo falso da Trezor ser instalado, ele colocava o ícone do "Coin Wallet" no celular — um indício da fraude e da semelhança entre os dois códigos. Uma vez iniciado, ele pode um login e uma senha, mas não especifica o serviço em que o usuário será logado. Qualquer informação é enviada para os criminosos e nenhum erro é apresentado. No processo seguinte, o aplicativo fingia gerar a carteira para o usuário. Na verdade, ele informava uma das carteiras pré-programadas e controladas pelos golpistas. Usuários do Trezor verdadeiro não tiveram seus dados roubados diretamente por esse aplicativo. Como o programa fraudulento apenas informava um endereço de carteira falso, quem já tinha uma carteira no Trezor verdadeiro não teria a carteira roubada com o uso da versão falsificada. No entanto, qualquer senha informada nos aplicativos falsos deve ser trocada. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1



Campanha faz dia de venda de gasolina e outros produtos sem impostos neste sábado


25/05/2019 09:00 - g1.globo.com


Lojista que aderir poderá escolher os itens que quer com o desconto equivalente à isenção de imposto, e terá que arcar com esse custo. Objetivo é defender reforma tributária. Lojistas poderão aderir à campanha contra impostos Celso Tavares/G1 Uma campanha organiza neste sábado (25) a venda de gasolina e outros produtos sem impostos. O "Feirão do Imposto" é organizado pela Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) em 18 estados em mais de 140 cidades. Os descontos serão oferecidos pelos postos e supermercados que aderiram à campanha. A Conaje afirma que eles serão de 50%, em média. Não foi informado o número de lojas participantes. "O comerciante decidirá quais produtos serão vendidos com isenção de imposto. O empresário subsidiará do bolso o valor pago ao governo", explicou em nota Eduardo Medeiros Pereira, coordenador nacional do evento. Segundo os organizadores, o objetivo da campanha é "conscientizar os brasileiros sobre a importância de uma reforma tributária no país". Outro evento, na quinta-feira (30), irá promover o "dia livre de impostos", em que mais de 1,7 mil lojas participantes, em cerca de 20 cidades em 18 estados mais o Distrito Federal, também prometem vender produtos sem impostos. A campanha é organizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem. Segundo os organizadores, os descontos podem chegar a 70% do valor final do produto. Reforma tributária A reforma tributária está em discussão no Congresso. Na quarta-feira (22), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou por votação simbólica a tramitação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que propõe a reforma no sistema tributário brasileiro. Agora, o mérito (conteúdo) será discutido em uma comissão especial, ainda a ser criada. Depois, seguirá para o plenário da Câmara, onde precisará ser aprovada com pelo menos 308 votos em dois turnos de votação antes de seguir para o Senado.



Neon Pagamentos tem prejuízo de R$ 41,6 milhões em 2018


25/05/2019 00:26 - g1.globo.com


A receita operacional subiu 452,1%, mas os custos dos serviços prestados saltaram 507,9%. Neon Reprodução/Facebook/Banco Neon A fintech Neon Pagamentos teve prejuízo líquido de R$ 41,636 milhões em 2018, 228,6% pior do que o resultado do ano anterior, que havia sido negativo em R$ 12,670 milhões. A receita operacional subiu 452,1%, a R$ 4,930 milhões, mas os custos dos serviços prestados saltaram 507,9%, a R$ 11,818 milhões. As despesas operacionais tiveram alta de 180,2%, a R$ 15,393 milhões. “Em 2018, nossa principal diretriz de negócios foi voltada à implantação de melhorias e recursos tecnológicos com o objetivo de criar o melhor sistema de plataforma digital de pagamentos para os nossos clientes”, diz o relatório da administração. Ontem, o Valor divulgou que a Neon Pagamentos deve concluir em breve uma segunda rodada de aumento de capital. As tratativas já estão avançadas e a expectativa é que a operação ganhe aval do Banco Central em breve. A gestora General Atlantic deve fazer um aporte e outros investidores participam da operação. No balanço, na parte de “eventos subsequentes”, a Neon diz que em fevereiro assinou um termo de compromisso com um investidor institucional para aporte financeiro por meio da emissão de ações “no montante suficiente para o perfeito funcionamento da companhia pelos próximos 18 meses”. A previsão é que a operação seja concluída entre o segundo e o terceiro trimestres. A capitalização ocorre pouco mais de um ano após a Neon Pagamentos viver sua maior crise, quando o Banco Central decretou a liquidação extrajudicial do Banco Neon (antigo Pottencial), que era seu parceiro operacional. Logo na sequência, a fintech fechou um acordo com o Banco Votorantim e conseguiu voltar a operar normalmente. No balanço de 2018, na parte de “créditos diversos e adiantamentos”, há uma rubrica de R$ 1,827 milhão de “valores a receber de parceria”. Segundo o Neon, o saldo refere-se a “adiantamento de contrato de parceria operacional que prevê o ressarcimento de certas despesas incorridas no curso dos negócios decorrentes da parceria e envolvem o ressarcimento parcial de gastos com utilização de sistemas de processamento de dados, marketing e custos de cobrança”. Atualmente, a Neon tem quase 2 milhões de clientes cadastrados.



Preço da gasolina nas bombas termina a semana em queda, diz ANP


24/05/2019 23:41 - g1.globo.com


O valor médio por litro do etanol também caiu; já o valor médio do diesel teve leve alta. Bomba de gasolina em posto da zona sul de São Paulo Marcelo Brandt/G1 O preço médio por litro da gasolina terminou a semana em queda, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (24) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Segundo o levantamento semanal, o valor médio por litro passou de R$ 4,558 para R$ 4,55 - uma queda de 0,18%. No ano, a alta acumulada do preço da gasolina é de 4,8%. De janeiro a abril, a inflação foi de 2,09%, considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Petrobras reduz preço da gasolina na refinaria em 4,4% a partir de sábado O valor da gasolina divulgado pela pesquisa semanal representa uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, os preços podem variar de acordo com a região. Já o diesel terminou a semana em alta de 0,08%, de R$ 3,652 por litro para R$ 3,655. No ano, o valor médio do combustível acumula alta de 5,9%. Da mesma maneira que a gasolina, o valor é a média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos. A ANP também monitora os valores médios do etanol e do gás de cozinha. Nesta semana, o preço médio do etanol caiu 1,9%, de R$ 3,005 por litro para R$ 2,946. Foi a quarta queda semanal seguida. No ano, porém, o valor do combustível acumula avanço de 4,3%. Já o preço médio do gás de cozinha terminou a semana em alta. O avanço foi de 1,1%, de R$ 68,95 para R$ 69,76.



Anatel aprova frequências que servirão para 5G no Brasil


24/05/2019 22:52 - g1.globo.com

Próximo passo é definir relator para edital de licitação das frequências. Faixas escolhidas foram 2,3GHz e 3,5GHz. A Anatel deliberou nesta quinta-feira (23) o destino e a regulamentação sobre o uso das faixas de 2,3 GHz e 3,5GHz, que serão usadas para a internet móvel de quinta geração, o 5G. Segundo a Anatel, a faixa de 2,3 GHz é um importante para alinhamento com sistemas mundiais do tipo IMT (sigla em inglês para Telecomunicações Móveis Internacionais), enquanto que a faixa de 3,5 GHz é tida por muitos como a porta de entrada para as redes de altíssima velocidade da quinta geração de telefonia. “A aprovação dessas duas matérias é um passo importante para o processo licitatório no qual temos trabalhado, para que seja contemplado o interesse nacional”, destacou em nota o presidente da Anatel, Leonardo de Morais. O próximo passo é determinar um relator para o edital que será aberto para o leilão das redes no ano que vem. Depois, o edital irá para uma consulta pública. Segundo a Anatel, a destinação das frequências levou em consideração blocos, arranjos, distribuição geográfica e contrapartidas a serem exigidas dos vencedores da futura licitação, até possíveis medidas preventivas e corretivas para mitigar eventuais interferências prejudiciais entre os sistemas de radiocomunicação.



Petrobras reduz preço da gasolina na refinaria em 4,4% a partir de sábado


24/05/2019 22:09 - g1.globo.com


Valor médio do litro da gasolina ficará em R$ 1,9543; diesel segue estável. Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras, em Cubatão, SP José Claudio Pimentel/G1 A Petrobras vai reduzir os preços da gasolina nas refinarias em 4,4%, em média, a partir deste sábado (25), um corte de 0,0907 real por litro, para R$ 1,9543, segundo informações no site da companhia nesta sexta-feira (24). O diesel segue estável. O reajuste, primeiro na gasolina desde 30 de abril, acontece em uma semana em que o mercado de petróleo marcou o pior desempenho de 2019, com o barril do Brent, referência internacional, recuando 4,5% desde segunda-feira. Houve também valorização do real, que iniciou a semana cotado a cerca de R$ 4,08. Nesta sexta-feira, a moeda norte-americana caiu 0,8%, vendida a R$ 4,0152. A Petrobras decide sobre os preços dos combustíveis com base em fatores como a cotação internacional do petróleo e o câmbio, mas uma sistemática em vigor desde setembro prevê o uso de operações de hedge para permitir um espaçamento maior entre os reajustes.



Ministro diz que governo federal estuda aluguel social no Minha Casa Minha Vida


24/05/2019 22:04 - g1.globo.com


Proposta do governo é que usuários mais carentes recebam subsídio para pagar um aluguel pelos imóveis, em vez de adquiri-los. Projeto do Minha Casa Minha Vida em Petrolina (PE) Juliane Peixinho O governo federal estuda implantar um "aluguel social", com tarifa acessível, para beneficiários do Minha Casa Minha Vida, afirmou nesta sexta-feira (24) o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto. Ele esteve em Petrolina (PE) com o presidente Jair Bolsonaro para a inauguração de um conjunto habitacional pelo programa. O aluguel social é uma modalidade na qual o governo paga para uma família manter um imóvel por um período determinado. Prefeituras e governos estaduais mantêm programas do tipo no país atualmente. Pelas regras de hoje, os beneficiários do Minha Casa Minha Vida compram o apartamento por meio de financiamento, com subsídio de até 90% por parte do governo federal. "Em alguns casos, o aluguel social, a locação social, é o mais apropriado. Em outras, outras, a transferência do imóvel. Mas ainda é uma proposta que está sendo discutida e passará pelo crivo da sociedade, da Caixa Econômica [Federal] e do Ministério da Economia”, disse o ministro. "Não é que vai deixar de entregar casa para a população." Ao jornal "O Estado de S.Paulo", nesta sexta, Canuto afirmou que as mudanças estão em estudo nas linhas de crédito destinadas a atender aos mais pobres, para famílias com renda de até R$ 1.800 (chamada de "faixa 1" no Minha Casa Minha Vida) e de até R$ 2.600 ("faixa 1,5"). Ainda não há detalhes de como o projeto funcionará. Em Petrolina, Canuto falou na necessidade de o programa ser aperfeiçoado e de ter identificado "falhas", sem especificar. Na entrevista ao "Estado", ele disse que uma das falhas é a venda dos apartamentos por beneficiários do programa --a venda é proibida. O governo federal irá investir R$ 11,6 bilhões em novas contratações para o Minha Casa Minha Vida, ainda segundo Canuto. "Essa história de que o programa parou não existe." Procurado, o Ministério do Desenvolvimento Regional informou que a Política Nacional de Habitação está sendo reformulada e que a criação de uma modalidade de aluguel social é uma das possibilidades.



Facebook: O que se sabe sobre a GlobalCoin, criptomoeda que a empresa quer lançar em 2020


24/05/2019 21:10 - g1.globo.com


A empresa, criticada pela maneira como lidou com dados de usuários, planeja lançar a moeda em uma dezena de países O Facebook está finalizando o projeto de lançar no primeiro bimestre de 2020 sua própria criptomoeda, um dos pilares de um sistema de pagamentos digitais que funcionaria em uma dezena de países. facebook silhuetas celular companhia empresa Dado Ruvic/Reuters A empresa, que deve dar mais detalhes nos próximos meses, pretende testar a GlobalCoin ainda neste ano. No mês passado, o fundador da empresa, Mark Zuckerberg, se encontrou com Mark Carney, dirigente do Banco Central do Reino Unido, para falar sobre as oportunidades e os riscos que envolvem o lançamento de uma criptomoeda. Zuckerberg nega que desmantelar Facebook solucione problemas da rede social Nova essência do Facebook, privacidade pode ser melhor para a empresa que para usuário Além disso, a empresa pediu conselhos ao Tesouro americano, sobre questões operacionais e regulatórias de oficiais, e a companhias de transferência de dinheiro, como Western Union, em busca de maneiras fáceis e baratas para pessoas sem contas bancárias mandarem e receberem dinheiro. Como funcionará a criptomoeda do Facebook? O Facebook, que reúne mais de 2 bilhões de perfis no mundo, quer seu sistema de pagamentos com moeda digital sirva para usuários que também não tenham conta bancária. A empresa, dona também do WhatsApp e do Instagram, busca quebrar barreiras financeiras, competir com bancos e reduzir custos de consumidores. Mark Zuckerberg no encontro anual do Facebook na Califórnia Stephen Lam/Reuters O projeto, apelidado de Libra, foi noticiado pela primeira vez em dezembro passado. O Facebook também estaria negociando com comerciantes online para que aceitem a moeda como pagamento em troca de taxas de transação mais baixas. O que é uma criptomoeda? Moedas virtuais podem ser usada para pagar por coisas na vida real, como um quarto de hotel, comida ou até uma casa. Elas são armazenadas em carteiras e podem ser enviadas de forma anônima entre usuários. Criptomoedas são rodadas com a tecnologia blockchain, que usa blocos de informação, como acordos ou transações, a serem armazenados em uma rede de computadores. A informação é armazenada cronologicamente, pode ser vista por uma comunidade de usuários, e normalmente não é administrada por uma autoridade central como um banco ou um governo. O conceito foi criado para garantir segurança e anonimato aos usuários, prevenindo adulteração ou sequestro da rede. Por que a criptomoeda do Facebook gera preocupações? O Facebook tem sido criticado pelo modo com administra e preserva as informações pessoais de usuários, e por isso reguladores devem examinar de perto o lançamento de uma criptomoeda da empresa. No início do mês, o Senado americano escreveu uma carta aberta a Zuckerberg perguntando como que a moeda funcionará, que proteção será oferecida ao consumidor e como será a proteção das informações. Sede do Facebook, na Califórnia Thiago Lavado/G1 O Facebook também debateu o processo de checagem de identidade e como reduzir os riscos de lavagem de dinheiro com o Tesouro americano. Estima-se que o Facebook e seus parceiros queiram prevenir grandes flutuações cambiais atrelando a moeda a câmbios estabelecidos, como o dólar americano, o euro e o iene japonês. Empreitada anterior da empresa não vingou Não é a primeira vez que o Facebook tenta aproveitar a onda das moedas digitais. Há uma década, a empresa criou o Facebook Credits, moeda virtual que permitia aos usuários comprar itens em aplicativos na rede social. Mas a companhia acabou com o projeto há dois anos depois que afundou. Na nova empreitada, a empresa terá que navegar também uma míriade de regulações nos países em que quer entrar. Um deles é a Índia, que recentemente refreou o segmento de moedas digitais. As conversas estão na fase inicial com governos, bancos centrais e reguladores, e pessoas que acompanham o processo admitem que lançar qualquer criptomoeda até o começo do ano que vem é uma meta ambiciosa. Procurados, Facebook, Western Union e o Banco da Inglaterra não quiseram comentar o assunto. Acesso a dados financeiros A maior atração das moedas digitais para bancos e grandes empresas é a tecnologia por trás delas. A tecnologia blockchain pode ajudar a reduzir o tempo e o custo de mandar dinheiro através de fronteiras ultrapassando redes bancárias. O especialista David Gerard disse que o Facebook teria acesso a informações valiosas sobre gastos criando seu próprio sistema de pagamento. No entanto, ele questionou por que a gigante rede social precisaria de sua própria criptomoeda para guardar os dados. Ele disse que, em vez disso, o Facebook poderia criar uma plataforma como o PayPal, que permite a usuários transferirem moedas tradicionais. Criptomoedas são vulneráveis a flutuações de valor, que, segundo Gerard, pode criar uma barreira para o sucesso da GlobalCoin do Facebook. "Pessoas normais não querem lidar com uma moeda que está subindo e descendo o tempo todo", ele explicou. Mas Garrick Hileman, um pesquisador da London School of Economics, disse que o projeto pode ser um dos eventos mais significativos na curta história de criptomoedas. Ele faz uma estimativa conservadora: 30 milhões de pessoas usam criptomoedas hoje.



Choques internos e externos podem inviabilizar recuperação do Brasil, diz FMI


24/05/2019 21:00 - g1.globo.com


Riscos estão num eventual fracasso da reforma da Previdência e nas tensões comerciais internacionais. O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou nesta sexta-feira (24) que choques domésticos e externos podem inviabilizar a já lenta recuperação da economia brasileira. Para o FMI, o principal risco interno está num eventual fracasso do governo em conseguir aprovar uma "robusta" reforma da Previdência. No cenário externo, os riscos estão na crise da Argentina - o país é um importante parceiro comercial do Brasil - e nas tensões comerciais internacionais. EUA e China travam nova rodada da guerra comercial; entenda "A ambiciosa proposta de reforma da Previdência, que está sendo analisada pelo Congresso, estabilizaria os gastos com aposentadorias na próxima década e tornaria o sistema mais equitativo", disse o fundo em relatório apresentado nesta sexta após uma visita oficial ao Brasil. "Para entregar o ajuste fiscal necessário, o Congresso deve preservar o aumento proposto nas idades mínimas de aposentadoria e diminuir os benefícios relativamente altos, particularmente para funcionários do setor público", apontou o FMI. Logo do FMI em Washington, EUA Reuters/Yuri Gripas A reforma da Previdência apresentada pelo governo prevê uma economia de R$ 1,2 trilhão em até 10 anos. A proposta, no entanto, ainda está sendo analisada pela comissão especial da Câmara dos Deputados e ainda não há data para ser votada no plenário. Reforma da Previdência: entenda a proposta ponto a ponto O FMI também pontuou que a recuperação da economia brasileira continua lenta e que há um risco significativo de que o crescimento econômico projetado para este ano, que deve ficar entre 1% e 1,5%, seja ainda menor se o Brasil não endereçar o seu problema fiscal. Em abril, o FMI estimativa que a economia brasileira iria crescer 2,1% neste ano. Do lado externo, o fundo disse que a situação brasileira segue sólida. O FMI estima que o déficit em transação corrente do Brasil deve subiu para 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano - em 2018, o déficit foi de 0,8% do PIB. "A posição externa do Brasil é forte graças a uma grande quantidade de reservas", disse o órgão.



Em MT, búfalos são vacinados contra aftosa; vacinação termina em 31 de maio


24/05/2019 18:46 - g1.globo.com


Propriedade em Jangada investe na criação da búfalos para produção de leite e derivados. Campanha de vacinação abrange bubalinos Reprodução/TVCA No próximo dia 30 termina a campanha de vacinação contra a febre aftosa para bovinos e bubalinos, em Mato Grosso. Em uma propriedade rural de Jangada, a 82 km de Cuiabá, o dono já imunizou os 110 búfalos que cria no local. A criação dos animais que se encaixam na categoria de bubalinos, começou há 14 anos. Os búfalos precisam de uma área grande e com adequações necessárias às características. Neste caso, são 400 hectares dedicados, exclusivamente, a eles. Para facilitar o manejo, o proprietário da fazenda, Joaquim Junqueira, dividiu a criação em piquetes fechados com cerca elétrica, porque o búfalo tende a fugir. Esse controle é feito em toda a propriedade que também dispõe de dez represas. “ Por causa da cor de pele dele, o búfalo precisa de muita água. Ele mergulha várias vezes por dia e também gosta de sombra”, explicou o criador. Os bubalinos são muitos diferentes do bovinos, tanto em características, quanto no manejo. No caso da vacinação, Manoel Luzio da Conceição, funcionário da fazenda explicou que os búfalos são mais calmos. “Além do couro ser mais grosso, o que facilita a aplicação, são animais mais doceis e não atacam a gente”, contou. Animais são vacinados contra Aftosa, Brucelose e raiva Reprodução/TVCA O funcionário aproveita o manejo no curral para vacinar o rebanho também contra brucelose, raiva e aplica vermífugo. Em Mato Grosso, nessa etapa, devem ser vacinados pouco mais de quinze mil bubalinos contra a aftosa. De acordo com proprietário, essa espécie não dá trabalho, pois não sofrem de algumas doenças e pragas comuns aos bovinos. “Não têm carrapato, nem mosca do chifre. De vez têm piolho, mas basta uma pulverização para acabar”, relatou Joaquim. O objetivo da criação de bubalinos na propriedade de Joaquim é a produção de leite. Para aumentar a produção, o dono investiu em melhoramento genético e nutrição dos animais. Atualmente, as fêmeas produzem o dobro de litros que era produzido em 2006, quando o criador começou a investir nessa espécie. “Eu tirava uma média de cinco litros, hoje tiro entre oito e novo litros”, afirmou Joaquim. Esse volume de produção por animal é baixo, se comparado com a pecuária leiteira bovina, mas para o pecuarista, o resultado das fêmeas é muito bom. No local há 40 búfalas em lactação que produzem 330 litros por dia. Toda a produção é destinada fabricação de queijos e doces. “Nós fazemos mussarela de vários tipos frescal e doce de leite aproveitamento totalmente o que é produzido”, disse Joaquim. Criador investe na produção de leite de búfala Reprodução/TVCA Criadores do Brasil Em nível nacional, os maiores rebanhos de búfalos estão no Pará, Amapá, São Paulo e Maranhão. A espécie também é dividida em diversas raças: morra, murrah, jafarabadi e mediterrâneo. O morro e o jafarabadi são indianos. Já o mediterrâneo é italiano. Fazenda de MT investe na criação de búfalos Reprodução/TVCA



Produção de cafés especiais ajuda agricultor em tempos de preço baixo; mercado cresce no Brasil


24/05/2019 18:11 - g1.globo.com


Oferta de grãos 'premium' no país quase dobrou nos últimos 3 anos, para 9,4 milhões de sacas. Colheita total bateu recorde de 61 milhões de sacas em 2018, e setor ainda é nicho. Brasil consumiu 705 mil sacas de cafés especiais em 2018 Divulgação/SDR Bahia Com os preços do café em baixa no mercado internacional devido à grande oferta no mundo todo, agricultores que investem na produção de cafés especiais conseguem uma espécie de seguro contra prejuízos. Esse mercado vem crescendo no Brasil: a produção quase dobrou nos últimos 3 anos e foi de 5,2 milhões de sacas em 2015 para 9,4 milhões de sacas em 2018. Os dados são da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, na sigla em inglês). A maior cooperativa do país tem até um programa para incentivar os associados a entrarem na onda. E, se depender da demanda, o cultivo voltado ao produto "premium" deve continuar em alta. Segundo estudo encomendado pela BSCA à Euromonitor, o consumo no Brasil foi de 705 mil sacas no ano passado, o que movimentou cerca R$ 2,6 bilhões. A projeção é que os números saltem para 1 milhão de sacas e R$ 4,7 bilhões em 2021. "Ainda é um nicho. Mas o que se vê, claramente, é que esses grãos especiais estão ganhando relevância importante e que ela vai aumentar", diz Carmem Lúcia de Brito, presidente da associação. Os cafés especiais corresponderam a apenas 15% da safra recorde de 61,6 milhões de sacas colhida no país em 2018. A colheita histórica no ano passado ajudou a derrubar ainda mais as cotações da commodity, que já vinham em queda desde 2016, devido à grande oferta em todo o mundo. Em 1º de maio deste ano, os preços futuros na bolsa de Nova York estavam em US$ 0,93 por libra-peso, nível não atingido desde 2004 e muito abaixo do pico de US$ 2,99 por libra peso, registrado em 2011. Os preços para os agricultores variam muito. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em maio, o valor médio da saca da variedade arábica girou em torno de R$ 380 a R$ 390, para o café tradicional. Já os especiais são vendidos a partir de R$ 800 a saca e podem ultrapassar os R$ 2.000, segundo Carmem. A quantia recebida no campo, por vezes não é suficiente para cobrir todos os custos de produção, que aumentam. "Tem 3 coisas que o produtor pode fazer dentro da porteira dele (para melhorar a renda). Tentar gastar menos possível, aumentar a produtividade e melhorar a qualidade. Qualidade na xícara traz qualidade de vida", diz Osvaldo Bachião Filho, vice-presidente da Cooxupé, a maior cooperativa de café do país, baseada no Sul de Minas Gerais. O que faz um café especial Cooperativas apostam na produção de cafés especiais Divulgação/SDR Bahia Um café classificado como especial é aquele que atinge no mínimo 83 pontos em uma escala definida pela Associação de Cafés Especiais (SCA), dos Estados Unidos, usada mundialmente. A régua vai até 100 e leva em conta aspectos como a doçura, acidez, aroma, corpo, e permanência do produto na boca. Outro ponto na classificação é o tamanho do grão, que é medido por peneiras. Tem mais qualidade (e maior valor) os mais graúdos, que não passam pelas malhas maiores. "O mercado só valoriza, só vai pagar como especial, acima da peneira 16", explica Osvaldo Bachião Filho, da Cooxupé. Como produzir um café especial Produzir cafés especiais começa com o planejamento no campo. "A primeira coisa é ter a intenção de fazer um café especial, ter a consciência de que não se faz como consequência de uma safra tradicional", diz Flávio Borém, professor de engenharia agrícola da Universidade Federal de Lavras (UFLA), especialista no assunto há 20 anos. Um dos primeiros cuidados, segundo Carmem Lucia, é com a terra. "Se eu tiver um solo sadio, terei plantas saudáveis e dando frutos de melhor qualidade. É preciso roçar na hora certa, não usar herbicida a todo momento, colocar matéria orgânica", diz. Além de presidente da BSCA, ela é também é produtora de café. É preciso também mapear a lavoura para definir exatamente de onde serão extraídos os lotes especiais, segundo Borém, e regular as máquinas para extrair o máximo possível de frutos cerejas, retirando no máximo 15% de verdes. "A maturação é a chave (para um café de alta qualidade). Em um ano difícil como este, de maturação desuniforme (provocada por questões climáticas), tem que se ter ainda mais cuidado". Os processos não param depois da colheita. Para Borém, o produtor deve lançar de mão de todos métodos que evitem que o grão se altere depois que sai do pé, seja pelo ataque de micro-organismos ou fermentação. "Qualidade é sinônimo de uniformidade. Além disso, quanto mais intacto o grão ficar por dentro, melhor". É aí que entram as técnicas de secagem e armazenamento. Para o especialista, o principal gargalo para os produtores que não conseguem fazer cafés especiais é a falta de tecnologias de secagem que permitem um bom controle de temperatura e fluxo de ar. Tanto cuidado acaba aumentando o custo de produção. "Com certeza produzir café de qualidade custa mais, não é à toa que ele é especial", diz Bachião, da Cooxupé. Borém diz, no entanto, que o valor agregado na saca supera os investimentos. "Muitas vezes, o agricultor já tem máquina, já tem infraestrutura, só precisa mudar a gestão". As plantações, porém, não conseguem gerar apenas cafés especiais. A proporção, na média, fica em torno de 20%, mas há agricultores que conseguem superar os 50%, segundo Borém. Incentivo de produção De olho no crescimento do mercado de cafés especiais, a Cooxupé criou em 2009 uma subsidiária só para cuidar desse tipo de produto, a SMC. Há três anos, criou um programa específico para identificar os grãos premium entre as toneladas que chegam à cooperativa pelos mais de 14 mil cooperados. Funcionários treinados identificam os lotes que entram na classificação e encaminham para a SMC, que faz a oferta ao produtor de acordo com a pontuação atingida. "Sempre soubemos que havia esse café aqui, mas tínhamos a dificuldade de identificar", diz Bachião. Em 2016, primeiro ano do programa, a cooperativa identificou 10,5 mil sacas de cafés especiais entre toda a sua produção. Em 2017, o número saltou para 17,9 mil. Em 2018, foram 31,3 mil sacas — ainda pouco perto das 6,4 milhões de sacas recebidas no ano. No ano passado, a SMC pagou, em média, de R$ 40 a R$ 150 a mais pela saca de cafés especiais em relação ao preço da commodity. A Cooxupé também dá palestras sobre como produzir esse tipo de café aos cooperados. Este ano, vai começar a gratificar aqueles que conseguirem os melhores grãos, com um prêmio de até R$ 25 mil, que será entregue no fim do ano. "A intenção é incentivar os nossos cooperados a produzir esse café, porque o movimento é forte no mundo todo e é importante que eles tenham conhecimento do que o consumidor quer", diz Bachião. Em 2018, a Cooxupé exportou diretamente 3,9 milhões de sacas de café e faturou R$ 3,7 bilhões.



Brasil cria 129 mil vagas de emprego formal no melhor mês de abril em 6 anos


24/05/2019 17:02 - g1.globo.com

No acumulado de janeiro a abril, país registra a criação de 313.835 empregos com carteira assinada, queda de 6,83% frente ao mesmo período do ano passado. Empregos com carteira assinada têm o melhor abril em 6 anos A economia brasileira gerou 129.601 empregos com carteira assinada em abril, de acordo com números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Ministério da Economia. O saldo é a diferença entre as contratações e a demissões. Em abril, o país registrou 1.374.628 contratações e 1.245.027 demissões. Esse é o melhor resultado para meses de abril desde 2013, ou seja, em seis anos. No mesmo período do ano passado, foram abertas 115.898 vagas com carteira assinada. O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, afirmou que o mês de abril normalmente traz abertura de vagas formais, de modo que o resultado não foi uma surpresa. Entretanto, avaliou também que, na medida o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não está registrando crescimento expressivo neste ano, o saldo de empregos criados foi bom. “Dá para dizer que não é o crescimento exponencial de mercado de trabalho que todos gostaríamos, e que a economia precisa, que os trabalhadores ainda desempregados precisam, mas que está em linha com a dinâmica geral do mercado brasileiro", declarou. "Não vamos colocar os carros na frente dos bois. É preciso que os fatores da economia se recuperem, com aprovação de reformas, e, a partir daí, o mercado de trabalho reagirá [com maior intensidade]”, concluiu Dalcolmo. Após três anos seguidos de demissões, a economia brasileira voltou a gerar empregos com carteira assinada em 2018, quando foram abertas 529.554 vagas formais, de acordo com dados oficiais. Parcial do ano Os números oficiais do governo mostram também que, nos quatro primeiros meses deste ano, foram criados 313.835 empregos com carteira assinada. Com isso, houve queda de 6,83% frente ao mesmo período do ano passado - quando foram abertas 336.855 vagas formais. Os números de criação de empregos formais do primeiro quadrimestre, e de igual período dos últimos anos, foram ajustados para incorporar as informações enviadas pelas empresas fora do prazo nos meses de janeiro e março. Os dados de abril ainda são considerados sem ajuste. Já nos últimos 12 meses, segundo o Ministério do Trabalho, foram criados 477.896 postos de trabalho formais. Com o resultado de abril, o estoque de empregos estava em 38,724 milhões no final de abril. No final do mesmo mês de 2018 eram 38,246 milhões. Por setores Os números do governo revelam que, em abril, houve abertura de vagas em todos os oito setores da economia. O maior número de empregos criados aconteceu no setor de serviços. Já a indústria extrativa minera foi o setor que criou menos vagas. Indústria de Transformação: +20.479 Serviços: +66.290 Agropecuária: +13.907 Construção Civil: +14.067 Extrativa Mineral: +454 Comércio: +12.291 Administração Pública: +1.241 Serviços Industriais de Utilidade Pública: +867 Dados regionais Segundo o governo, houve abertura de vagas formais, ou seja, com carteira assinada, em todas as regiões do país em abril deste ano. Sudeste: +81.106 Sul: +14.570 Centro-Oeste: +15.240 Norte: +3.092 Nordeste: +15.593 O governo informou ainda que, das 27 unidades federativas, 23 tiveram saldo positivo (criação de empregos formais) em abril deste ano. Os maiores saldos positivos de emprego ocorreram em São Paulo (+50.168), Minas Gerais (+22.348) e Paraná (+10.653 vagas). Os maiores volumes de demissões foram registrados em Alagoas (-4.692), Rio Grande do Sul (-2.498) e Rio Grande do Norte (-501). Trabalho intermitente e parcial Segundo o Ministério do Trabalho, foram realizadas 9.972 admissões e 4.550 desligamentos na modalidade de trabalho intermitente em abril deste ano. Como o total de admissões nessa modalidade foi maior que o de demissões, houve um saldo positivo de 5.422 empregos no período. O trabalho intermitente ocorre esporadicamente, em dias alternados ou por algumas horas, e é remunerado por período trabalhado. Foram registradas ainda, no mês passado, 7.419 admissões na modalidade de regime de trabalho parcial e 4.592 desligamentos, gerando saldo positivo de 2.827 empregos. As novas modalidades de trabalho parcial, definidas pela reforma trabalhista, incluem contratações de até 26 horas semanais com restrições na hora extra ou até 30 horas por semana sem hora extra. Salário médio de admissão O governo também informou que o salário médio de admissão foi de R$ 1.584,51 em abril. Em termos reais (após a correção pela inflação), houve queda de 1,32% no salário de admissão, ou de R$ 21,17, na comparação com o mesmo mês de 2018. Em relação a março de 2019, porém, houve uma alta real de 0,45%, ou de R$ 7,14, no salário médio de admissão, informou o Ministério da Economia.



ALE Combustíveis e Hortifruti Natural da Terra abrem programas de trainee


24/05/2019 17:00 - g1.globo.com

Vagas são para estudantes que se graduaram ou estão para se graduar. A ALE Combustíveis e a Hortifruti Natural da Terra abriram inscrições para programas de trainee. Veja mais destalhes abaixo. ALE Combustíveis A ALE Combustíveis abriu inscrições para 7 vagas no Programa de Trainee da ALE Combustíveis 2019. Podem se candidatar estudantes que tenham se graduado no intervalo de julho de 2017 a julho de 2019 em quaisquer cursos de graduação na modalidade bacharelado. Outros pré-requisitos são inglês avançado e aptidão para assumir qualquer posição estratégica na empresa. O candidato também deve ter disponibilidade para viagens e mobilidade. Os selecionados, a princípio, atuarão nas unidades da ALE em Natal ou em São Paulo, podendo ser realocados para outra localidade do Brasil durante a carreira. O período de inscrição segue até 16 de junho pelo site do programa: ale.across.jobs. As admissões estão previstas para agosto deste ano. Os interessados deverão participar de um processo seletivo composto por uma série de etapas eliminatórias. A primeira etapa será de inscrição, em que os candidatos realizarão provas de raciocínio lógico e de inglês. Nessa fase, também haverá o preenchimento de um fit cultural para identificar o alinhamento à política da companhia. Na sequência, os candidatos aprovados participarão da etapa selfie, em que gravarão um vídeo de apresentação e, sendo classificados, participarão da etapa game, para serem avaliados em um jogo virtual, as competências individuais e coletivas dos candidatos. A etapa final será realizada presencialmente e contará com a participação dos diretores da companhia, onde os trainees participarão de painéis nas localidades de Natal ou em São Paulo. Hortifruti / Natural da Terra A Hortifruti / Natural da Terra, rede varejista de hortifrutigranjeiros, recebe inscrições para seu programa de trainee. A companhia vai recrutar jovens com formação entre julho de 2015 e julho de 2019. É necessário domínio intermediário do idioma inglês e conhecimento do pacote Office em nível intermediário/avançado. São vagas para diversos cursos com atuação em São Paulo e Rio de Janeiro. As inscrições vão até 8 de junho pelo site www.pagetalent.com.br/Vagas/Details/278. A empresa oferece assistência médica, assistência odontológica e remuneração compatível com o mercado. O programa de trainee terá duração de nove meses e pretende formar um time capacitado para assumir desafios.



Governo estuda medidas para desburocratizar contratações, diz secretário da Previdência


24/05/2019 16:57 - g1.globo.com


Segundo Rogério Marinho, empresário precisa ser 'bem tratado'. O secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil O governo estuda medidas para desburocratizar as contratações em meio à alta do desemprego, segundo o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho. O secretário não explicitou quais seriam essas medidas. Questionado se poderá haver retrocessos em direitos trabalhistas, ele negou a possibilidade de infringir a Constituição, mas reforçou que o empresário precisa ser "bem tratado". "Quem gera emprego é o empreendedor, do vendedor de pipoca ao cara que tem um sorvete, um cachorro-quente, ao proprietário de uma grande empresa. Esse precisa ser bem tratado, porque é ele quem gira a economia nesse país", defendeu. Marinho disse que passará o final de semana no Rio de Janeiro para tocar uma agenda paralela à previdência, com foco na geração de empregos. Neste sábado (25), ele se encontra com empresários da indústria e outros setores para discutir as demandas. "Não é possível mantermos a situação em que nós estamos inseridos, onde não há segurança jurídica e previsibilidade para quem quer empregar", afirmou. Reforma da Previdência Segundo Marinho, o governo mantém a expectativa de que a Câmara dos Deputados vote a reforma da Previdência até julho, ficando para o segundo semestre a apreciação do Senado. De acordo com o secretário, os indicadores econômicos denotam a urgência da reforma, o que já teria sido apreendido pelo Parlamento. "A economia está pedindo e o Congresso está respondendo à necessidade de ser confortável [o impacto econômico do projeto]", disse. Em entrevista à revista Veja, o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou que poderá renunciar ao cargo caso a reforma da Previdência não seja aprovada com uma economia mínima de R$ 800 bilhões. O projeto como está define como meta a economia de R$ 1,2 trilhão na próxima década. Questionado sobre a declaração, Marinho disse desconhecer a entrevista, mas afirmou que o governo está confiante de que o impacto com a reforma seja mantido pelo Congresso. "O Congresso está respondendo da forma como imaginávamos à necessidade e à prioridade que é a questão previdenciária", afirmou. Segundo ele, mesmo os parlamentares que fazem oposição ao governo "já compreendem a necessidade de reestruturar o nosso sistema [previdenciário]".



Brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos este ano


24/05/2019 16:37 - g1.globo.com


No ano passado, marca foi atingida 11 dias mais tarde, segundo a Associação Comercial de São Paulo, que mantém o 'Impostômetro'. Impostômetro chega à marca de R$ 1 trilhão Reprodução Os brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos desde o início de 2019. O valor foi atingido perto das 13h20 desta sexta-feira (24), segundo cálculo do Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Este montante foi alcançado 11 dias mais cedo na comparação com o ano passado. O valor corresponde ao total pago para a União, estados e municípios na forma de impostos, taxas, multas e contribuições. Veja o especial "Quanto pagamos de impostos". Há exatamente um ano, o painel registrava R$ 944,6 bilhões. Segundo Marcel Solimeo, economista da ACSP, a arrecadação apresentou crescimento (nominal) de 5,86% de um ano para outro, explicado pela inflação do período e pela ligeira alta do PIB. Em 2018, o Impostômetro superou a marca de R$ 2,3 trilhões em impostos pagos pelos brasileiros no ano. O Impostômetro O impostômetro foi criado em 2005 e busca estimar o valor total de impostos, taxas, contribuições e multas que a população brasileira paga para a União, os estados e os municípios. O total de impostos pagos pelos brasileiros também pode ser acompanhado pela internet, na página do Impostômetro (www.impostometro.com.br). Na ferramenta, criada em parceria com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), é possível acompanhar quanto o país, os estados e os municípios estão arrecadando com tributos e também saber o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado.



PAT Indaiatuba oferece 50 vagas de emprego para moradores da região e salários chegam a R$ 2,1 mil


24/05/2019 16:27 - g1.globo.com


Interessados devem comparecer pessoalmente ao Posto de Atendimento ao Trabalhador, com RG, CPF, Carteira de Trabalho e PIS. PAT de Indaiatuba (SP) tem 50 vagas de emprego abertas. Giuliano Miranda RIC/PMI O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Indaiatuba (SP) está com 50 vagas de emprego disponíveis nesta sexta-feira (24). O tempo de experiência exigido para ocupar a maioria das funções é de três a seis meses. Algumas oportunidades são opções para o primeiro emprego. Os salários vão até R$ 2,1 mil, com a maior remuneração destinada ao cargo de motorista de caminhão-guincho. Os interessados devem comparecer ao PAT para análise de perfil e cadastro, com RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. As oportunidades são para todos os gêneros. Para concorrer às vagas de emprego, é necessário ter formação em ensino fundamental, médio ou técnico, dependendo da função. O PAT Indaiatuba fica na Rua Jacob Lyra, 344, no Parque das Nações, e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 13h. Mais informações pelo telefone (19) 3825-6622. Confira a lista de vagas Acabador (a) de mármore e granito - 1 vaga Atendente de pedágio - 1 vaga Auxiliar administrativo (a) - 1 vaga Auxiliar de cozinha - 3 vagas Auxiliar de enfermagem - 2 vagas Chefe de serviço de limpeza - 1 vaga Cozinheiro (a) - 1 vaga Eletricista - 1 vaga Empacotador (a) a mão - 1 vaga Encanador (a) - 1 vaga Enfermeiro (a) - 1 vaga Fisioterapeuta geral - 1 vaga Fonoaudiólogo (a) geral - 1 vaga Mecânico (a) de manutenção de empilhadeiras - 1 vaga Mecânico (a) de refrigeração - 1 vaga Montador (a) de estruturas metálicas - 1 vaga Motorista de caminhão - 1 vaga Motorista de caminhão-guincho - 1 vaga Oficial de serviços gerais - 2 vagas Operador (a) de pá carregadeira - 1 vaga Operador (a) de prensa - 1 vaga Operador (a) de tesoura mecânica e máquina de corte - 1 vaga Operador (a) de zincagem - 1 vaga Pedreiro (a) - 2 vagas Pintor (a) industrial - 1 vaga Pizzaiolo (a) - 2 vagas Serrador (a) de mármore - 1 vaga Serralheiro (a) industrial - 1 vaga Soldador (a) - 2 vagas Supervisor (a) de produção na mineração - 1 vaga Supervisor (a) de vendas de serviços - 1 vaga Técnico (a) de enfermagem - 2 vagas Técnico (a) em manutenção de equipamentos de informática - 1 vaga Torneiro (a) mecânico - 1 vaga Vendedor (a) - 7 vagas Vigilante - 1 vaga Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas



Vendas da Huawei podem cair até 25% neste ano, dizem analistas


24/05/2019 16:05 - g1.globo.com

Guerra comercial entre China e Estados Unidos prejudica operação da gigante do setor de telecomunicações e pode afetar principalmente a divisão de smartphones. A fabricante chinesa de equipamentos para telecomunicações Huawei, atingida por sanções dos Estados Unidos, poderá ver suas vendas caírem em até 25% neste ano e enfrenta a possibilidade de seus smartphones desaparecerem dos mercados internacionais, disseram analistas. Após decreto de Trump, Google corta laços com a Huawei A Huawei, que é a segunda maior fabricante de smartphones do mundo em volume, pode ter queda nas vendas cair entre 4% e 25% em 2019 se as sanções dos EUA continuarem, de acordo com Fubon Research e Strategy Analytics. Guerra comercial afeta gigante dos celulares Huawei Vários especialistas disseram esperar que as vendas da Huawei cairão nos próximos seis meses, mas se recusaram a dar uma estimativa real, devido às incertezas em torno das políticas dos EUA. O Departamento de Comércio dos EUA impediu que a Huawei comprasse produtos norte-americanos na semana passada em meio ao aumento da disputa comercial com a China. A proibição se aplica a bens e serviços com 25% ou mais de tecnologia ou materiais originados nos EUA e pode, portanto, afetar empresas não americanas. "A Huawei poderá ser eliminada do mercado de smartphones da Europa Ocidental no próximo ano se perder o acesso ao Google", disse Linda Sui, diretora de estratégias de smartphones da Strategy Analytics. Ela prevê que as vendas de celulares da Huawei caiam mais 23% no próximo ano, mas acredita que a companhia poderia sobreviver pelo tamanho do mercado chinês. A Fubon Research, que anteriormente previa que a Huawei venderia 258 milhões de smartphones em 2019, agora espera que a empresa venda 200 milhões, caso se desenhe o pior cenário. A Huawei possui quase 30% do mercado global, de acordo com o IDC, e vendeu 208 milhões de celulares no ano passado, sendo metade em mercados fora da China. A empresa conta a Europa como o mercado mais importante para seus smartphones premium.



Anac anuncia suspensão das operações da Avianca Brasil


24/05/2019 15:50 - g1.globo.com


Segundo a agência, todos os voos da empresa ficam agora suspensos até que ela prove que tem condições de manter atividade em segurança. Avianca passa por recuperação judicial. Funcionários da Avianca Brasil protestam no Aeroporto de Congonhas Reprodução/TV Globo A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta sexta-feira (24), por meio de nota, que suspendeu cautelarmente todas as operações da Avianca Brasil. De acordo com a agência, todos os voos da empresa ficam suspensos até que ela comprove capacidade para manter as atividades em segurança. Segundo a Anac, a decisão foi tomada com base em informações prestadas à área responsável por segurança operacional da agência (veja nota da Anac ao final da reportagem). Após a divulgação da decisão da Anac, a Avianca informou, por meio de nota, que "tomou a iniciativa de suspender temporariamente suas operações". Segundo a empresa, a Anac foi comunicada da decisão nesta sexta (veja nota da empresa ao final da reportagem). Para quem tem voo marcado para os próximos dias, a Anac recomenda que entre em contato com a Avianca e não se desloque para o aeroporto até que novas informações sejam divulgadas. A Avianca segue obrigada a cumprir integralmente a legislação que prevê oferta de opções como reembolso e reacomodação. Em nota, a empresa diz estar "totalmente focada em dar continuidade ao seu Plano de Recuperação Judicial". Informou ainda que "continuará cumprindo a resolução 400 da Anac para atender aos passageiros que tiveram seus voos cancelados". Afirmou também que "atua na busca de soluções para restabelecer a sua operação". A empresa operava atualmente 37 voos, em média, por dia. Em nota, a Avianca Brasil informou que "está totalmente focada em dar continuidade ao seu Plano de Recuperação Judicial" e que continuará a cumprir resolução da Anac "para atender aos passageiros que tiveram seus voos cancelados". A empresa informou ainda que "atua na busca de soluções para restabelecer a sua operação". Anac suspende voos da Avianca até empresa comprovar segurança Recuperação judicial A Avianca está em recuperação judicial desde dezembro de 2018. Os funcionários alegam que não estão recebendo salários e nem o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Na semana passada, em protesto, tripulantes da Avianca paralisaram os serviços. Nesta sexta-feira, pilotos e comissários da Avianca Brasil pararam suas atividades nos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Desde que entrou em recuperação judicial a empresa já cancelou milhares de voos, além de suspender a operação em diversos aeroportos. Desde o fim de abril ela concentra seus voos em Congonhas, Santos Dumont, Brasília e Salvador. Avianca demite 30% dos funcionários no aeroporto de Guarulhos, em SP Dívidas A Avianca Brasil, marca comercial da Oceanair Linhas Aéreas S.A. ("Oceanair"), não faz parte do grupo de companhias da Avianca Holdings S.A, com sede na Colômbia. Mas ambas integram uma holding controlada pelo mesmo investidor, o empresário brasileiro German Efromovich. Em dezembro, a Avianca, que é a quarta maior companhia aérea do Brasil, acumulava dívida de R$ 493,8 milhões. A empresa aponta que sua crise econômico-financeira é reflexo da forte recessão econômica enfrentada pelo país desde de 2014, aliada ao aumento do combustível e à variação do câmbio. Os credores da Avianca já aprovaram um plano de recuperação judicial da companhia no dia 5 de abril – se for adiante, a proposta prevê a divisão da companhia em sete UPIs. O leilão estava marcado para 7 de maio, mas foi suspenso por determinação da Justiça. Nota da Avianca A Avianca Brasil informa que tomou a iniciativa de suspender temporariamente suas operações. A Anac foi oficialmente comunicada nesta sexta-feira, 24 de maio de 2019, e a decisão, tomada pela Avianca Brasil, tem como propósito preservar os padrões de segurança e eficiência que sempre foram prioridades em sua operação. A empresa reitera ainda que está totalmente focada em dar continuidade ao seu Plano de Recuperação Judicial. A Avianca Brasil esclarece que continuará cumprindo a Resolução 400 da Anac para atender aos passageiros que tiveram seus voos cancelados e reforça que atua na busca de soluções para restabelecer a sua operação. Nota da Anac A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) suspendeu cautelarmente todas as operações da Avianca Brasil. Com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações com segurança. A decisão foi tomada com base em informações prestadas pela empresa à área responsável por segurança operacional da Agência e considerou todo o histórico que vinha sendo acompanhado desde o início do processo de recuperação judicial. A Avianca informou à ANAC que também decidiu suspender espontaneamente suas operações. Além disso, a empresa foi oficiada para adequar seu sistema de vendas de passagem, prestar informações aos passageiros e cumprir a Resolução nº400/2016. Aos passageiros com voos para os próximos dias, a ANAC recomenda que entrem em contato com a empresa e não se desloquem para o aeroporto até que novas informações sejam divulgadas. A Avianca segue obrigada a cumprir integralmente a Resolução nº 400/2016 da ANAC, com a oferta de opções como reembolso e reacomodação. Em caso de cancelamento ou de alteração do voo causado pela Avianca, o passageiro deve ter os seus direitos respeitados, que estão disponíveis para consulta no portal da ANAC na internet ou da página Passageiro Digital, especialmente desenvolvida para dispositivos móveis. Caso o passageiro se sinta prejudicado ou tenha seus direitos desrespeitados, deve procurar a empresa aérea contratada para reivindicar seus direitos como consumidor. Se as tentativas de solução do problema pela empresa não apresentarem resultado, o usuário poderá registrar sua reclamação por meio da plataforma Consumidor.gov.br. Por esta ferramenta, o consumidor pode se comunicar diretamente com as empresas, que têm a obrigação de receber, analisar e responder as reclamações em até 10 dias. Não tendo a sua reclamação resolvida pela empresa aérea na plataforma Consumidor.gov.br, o passageiro poderá recorrer aos órgãos do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), que inclui os canais presenciais de atendimento do Procon e o Juizado Especial Civil, a fim de buscar uma solução para o seu problema individual e requerer a reparação de danos porventura causados pelo transportador. A ANAC monitora, em âmbito coletivo, o atendimento prestado pelas empresas aéreas aos passageiros por meio dessa plataforma, colhendo subsídios para as ações de fiscalização e de regulação do setor. A plataforma também é monitorada por órgãos do SNDC, entre outros.



Abate de bovinos cresce 6,99% em MS no primeiro quadrimestre: quase 80 mil cabeças a mais


24/05/2019 15:16 - g1.globo.com


Mesmo com incremento, o estado permaneceu como o segundo do ranking nacional de abates. MS abateu quase 80 mil bovinos a mais no primeiro quadrimestre de 2019, segundo dados do MAPA Anderson Viegas/G1 MS O abate de bovinos cresceu 6,99% em Mato Grosso do Sul no primeiro quadrimestre de 2019 em comparação com o mesmo período de 2018, passando de 1.141.715 cabeças para 1.221.596, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Mesmo com 79.881 cabeças a mais abatidas na parcial deste ano frente a do ano passado, o estado permaneceu como o segundo do ranking nacional. Em primeiro permanece Mato Grosso, que registrou em janeiro e abril um acumulado de 1.529 cabeças abatidas, 9,26% a mais que no mesmo intervalo de tempo do ano passado. No país, o abate de bovinos também cresceu, mas em um patamar pouco abaixo do registrado em Mato Grosso do Sul. O incremento foi de 6,65%, de 7.948.547 nos quatro meses iniciais de 2018 para 8.477.216 no mesmo espaço de 2019. Os dados do MAPA destacam ainda que no estado, o maior número de animais abatidos continua a ser fêmeas. Nestes quatro meses deste ano foram 614.711, 50,32% do total, contra 606.885 de machos, 49,67%.



Patinete elétrico da BMW vai custar 800 euros


24/05/2019 14:09 - g1.globo.com


Com preço equivalente a R$ 3,6 mil, modelo chega à velocidade máxima de 20 km/h e sua autonomia é de 12 quilômetros. Ainda não há previsão de venda no Brasil. Patinete elétrico E-scooter BMW/Divulgação A BMW revelou na Alemanha o patinete elétrico E-Scooter que chega ao mercado no mês de setembro. O modelo terá preço de 799 euros, valor equivalente a R$ 3,6 mil, e ainda não há previsão de chegada ao Brasil. Patinete elétrico: 10 dicas sobre como andar De acordo com a montadora, o modelo tem autonomia de 12 quilômetros e pode chegar à velocidade máxima de 20 km/h. O E-Scooter foi desenvolvido em parceria com a Micro, empresa especializada em veículos de mobilidade. Além do E-Scooter, a montadora alemã também possui o patinete X2City, que é um modelo mais top de linha. BMW E-Scooter - 799 euros BMW E-scooter BMW/Divulgação Além do modelo elétrico, a BMW revelou que terá um patinete sem motor e também versões de patinete para crianças. Veja os preços: City Scooter - 200 euros BMW City Scooter BMW/Divulgação Kids Scooter - 120 euros Patinete para crianças da BMW BMW/Divulgação BMW Patinetes na Alemanha Enquanto no Brasil a maioria das cidades ainda não têm regras específicas para o uso do patinete elétrico, o governo alemão definiu as regras para o uso dos patinetes, que devem entrar em vigor nos próximos meses. Eles estão proibidos de rodar nas calçadas, mas foram liberados para ciclovias e ruas. Os usuários devem ter idade mínima de 14 anos e rodar a velocidade máxima de 20 km/h.



Guedes diz a revista que pode renunciar se reforma da Previdência não sair


24/05/2019 13:31 - g1.globo.com


Em entrevista à Veja, ministro apontou que há margem de negociação para 'encolher' a reforma para uma economia de até R$ 800 bilhões, e disse ter 'absoluta confiança' de que ela será aprovada. Ministro da Economia, Paulo Guedes, em imagem de arquivo Reuters O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que pode renunciar ao cargo se a reforma da Previdência pretendida pelo governo virar não sair, alertando que o Brasil pode quebrar já em 2020. “Deixa eu te falar um negócio que é importante. Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso", disse Guedes em entrevista à revista 'Veja'. "Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’". "Se só eu quero a reforma, vou embora para casa. Se eu sentir que o presidente não quer a reforma, a mídia está a fim só de bagunçar, a oposição quer tumultuar, explodir e correr o risco de ter um confronto sério… pego o avião e vou morar lá fora.” Segundo o ministro da Economia, o Brasil "pega fogo" se a reforma não for feita. "Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos Estados e municípios". A reforma da Previdência, enviada ao Congresso em fevereiro deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro, está em tramitação em comissão especial na Câmara dos Deputados. O texto já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). De acordo com a Veja, Guedes afirmou, no entanto, que o presidente Jair Bolsonaro está totalmente empenhado em aprovar a reforma nos moldes em que o projeto foi enviado pelo governo ao Congresso, com expectativa de economia de até R$ 1,2 trilhão nos próximos dez anos. O ministro, os presidentes da Câmara e do Senado também estão a favor da reforma. "A classe política está digerindo os novos métodos. Estou absolutamente otimista de que eles vão corresponder às expectativas da sociedade. Tenho absoluta confiança em que vai sair a reforma de 1 trilhão e que as revisões de crescimento para cima serão feitas a partir da reforma, que vai clarear um horizonte fiscal por dez anos", afirmou. Guedes reconhece que há uma margem de negociação, que pode no máximo ir a R$ 800 bilhões, e destacou ainda que a reforma previdenciária não está sendo apresentada apenas para equilibrar as contas públicas, mas que também se propõe a corrigir enormes desigualdades, de acordo com a revista. "A Previdência é hoje um buraco negro, que engole tudo ao redor. O déficit tem crescido cerca de R$ 40 bilhões por ano. A reforma é urgente, porque os mercados não vão esperar muito mais. Eles fogem antes. A engolfada pode vir em um ano, um ano e meio", acrescentou o ministro. O ministro reafirmou sua confiança nas convicções de Bolsonaro, e acredita em uma união política em torno da agenda econômica do governo. "Eu confio na confiança que o presidente tem em mim." 'Sem apego ao cargo' Em março, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Paulo Guedes já havia afirmado que não tem apego ao cargo, mas não terá a "inconsequência" ou a "irresponsabilidade" de sair "na primeira derrota". Guedes deu a declaração ao responder a uma pergunta sobre a possibilidade de deixar o cargo na hipótese de o Congresso não aprovar uma reforma da Previdência que permita uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos, como defende a proposta do governo enviada ao Legislativo. "Não tenho apego ao cargo, desejo de ficar a qualquer custo, como também não tenho a inconsequência e irresponsabilidade de sair na primeira derrota. Não existe isso", declarou. Segundo o ministro, "se o presidente apoiar as coisas que eu acho que podem resolver para o Brasil, eu estarei aqui. Agora, se ou o presidente ou a Câmara ou ninguém quer aquilo, eu vou obstaculizar o trabalho dos senhores? De forma alguma. Eu voltarei para onde sempre estive. Eu tenho uma vida fora daqui".



De auxiliar administrativo a salgadeiro: CPAT oferece 32 vagas de emprego e tem chances para PCD


24/05/2019 13:19 - g1.globo.com


Interessados devem comparecer a uma das unidades do CPAT para análise de perfil e cadastro, levando RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. CPAT oferece 32 vagas de emprego nesta sexta-feira (24). Murillo Gomes/G1 O Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT) de Campinas (SP) oferece 32 vagas de emprego para moradores da região nesta sexta-feira (24). Os salários divulgados vão até R$ 1,6 mil, sendo a maior remuneração destinada ao cargo de vendedor (a) interno de peças de moto. Há chances para pessoas com deficiência (PCDs). As oportunidades são para todos os gêneros e exigem experiência, que varia entre dois e seis meses, comprovada na Carteira de Trabalho - a exceção é para a vaga de auxiliar de creche e repositor (a) de mercadorias. Para se candidatar, é necessário comparecer a uma das unidades do CPAT para análise de perfil e cadastro, levando RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. O órgão esclarece que as vagas estão sujeitas a alterações ao longo do dia. Para mais informações, acesse o site do órgão. Confira a lista de vagas Armador (a) de ferros/PCD - 1 vaga Auxiliar administrativo (a)/PCD - 1 vaga Auxiliar administrativo (a)/PCD (estoque) - 1 vaga Auxiliar de creche/PCD - 1 vaga Carpinteiro (a)/PCD - 1 vaga Consultor (a) de vendas - 6 vagas Costureira (o) de peças sob medida - 2 vagas Cozinheiro (a) de restaurante - 1 vaga Cozinheiro (a) de restaurante/PCD - 1 vaga Eletricista - 1 vaga Empregada doméstica para dormir no local - 1 vaga Encanador (a) - 1 vaga Forneiro (a) de padaria - 1 vaga Motorista de caminhão - 1 vaga Operador (a) de caixa lotérico - 1 vaga Operador (a) de telemarketing receptivo (atendimento por telefone) - 1 vaga Pedreiro (a) - 1 vaga Promotor (a) de vendas - 4 vagas Repositor (a) de mercadorias - 1 vaga Salgadeiro (a) - 1 vaga Servente de obras - 1 vaga Vendedor (a) interno - 1 vaga Vendedor (a) interno de peças de moto - 1 vaga Endereço CPAT Unidade Centro Avenida Campos Sales, 427, Centro. De segunda a sexta-feira - Das 7h30 às 17h30. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 12h. Unidade Ouro Verde Avenida Ruy Rodriguez, 3.900, Parque Universitário (Shopping Spazio Ouro Verde, 1º andar). De segunda a sexta-feira - Das 8h às 16h. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h. Unidade Campo Grande Rua Manoel Machado Pereira, 902 (em frente à Praça da Concórdia). De segunda a sexta-feira - Das 8h às 16h. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h. Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas



Bovespa fecha em queda, de olho no exterior e na cena política


24/05/2019 13:02 - g1.globo.com


Nesta sexta-feira, a bolsa recuou 0,30%, a 93.627 pontos. Na semana, no entanto, a bolsa acumulou alta de 4% Painel da B3, antiga Bovespa, mostra cotações dos papeis negociados na bolsa Paulo Whitaker/Reuters O principal indicador da bolsa paulista, a B3, recuou nesta sexta-feira (24), com investidores de olho no cenário político doméstico, enquanto mercados externos operaram em alta diante de uma sinalização positiva por parte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de eventuais avanços nas negociações com a China. O Ibovespa recuou 0,30%, a 93.627 pontos. Veja mais cotações. Na semana, no entanto, a bolsa acumulou alta de 4,04%. Na quinta-feira, Trump previu um rápido final para a guerra comercial com a China, mesmo que no momento não exista previsão para uma nova rodada de negociação, e disse que as reclamações dos EUA contra a Huawei podem ser resolvidas dentro da estrutura de um acordo, destacou a Reuters. Internamente, o otimismo quanto à cena política melhorou durante esta semana, com o avanço das pautas econômicas sinalizando que o Congresso está comprometido a trabalhar em medidas mais voltadas para o mercado, independentemente dos eventuais conflitos com o governo. No entanto, a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista publicada no site da Veja nesta sexta-feira, de que irá renunciar ao cargo se a reforma da Previdência pretendida pelo governo virar uma "reforminha" inspirou alguma cautela.



Dólar termina semana em queda, mas ainda acima de R$ 4


24/05/2019 12:04 - g1.globo.com


A moeda norte-americana caiu 0,8%, vendida a R$ 4,0152; na semana, o recuo foi de 2,05%. Notas de dólar Hafidz Mubarak/Reuters O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (24), mas ainda acima do patamar de R$ 4, com investidores de olho nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China e monitorando o cenário político brasileiro. A moeda norte-americana caiu 0,8%, vendida a R$ 4,0152. Veja mais cotações. Na semana, o recuo foi de 2,05%. Do cenário externo, o mercado repercutiu nesta sexta as declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que está previsto um rápido final para a guerra comercial com a China, mesmo que no momento não exista previsão para uma nova rodada de negociação. Trump disse ainda que as reclamações do país contra a Huawei podem ser resolvidas dentro da estrutura de um acordo. No cenário interno, o foco permanece sobre a tramitação da reforma da Previdência no Congresso. Nesta tarde, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que pode renunciar ao cargo se a reforma da Previdência pretendida pelo governo virar uma "reforminha", alertando que o Brasil pode quebrar já em 2020. A declaração de Guedes teria como alvo parlamentares, em um momento considerado delicado na relação entre Executivo e Legislativo, destaca a Reuters. Na avaliação do economista-chefe da Geral Asset, Denilson Alencastro, o momento pede cuidado, especialmente em função da importância do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na articulação da reforma da Previdência. "Rodrigo Maia conseguiu se colocar como essa figura do primeiro-ministro. O presidente tem que saber negociar com o Maia", afirmou à agência. Intervenção do BC no câmbio O BC vendeu nesta sexta-feira todos os 5,05 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados em rolagem do vencimento julho. Em 17 operações, o BC já rolou US$ 4,293 bilhões, de um total de US$ 10,089 bilhões a expirar em julho. O estoque de swaps do BC no mercado é de US$ 68,863 bilhões.



Como equilibrar o orçamento? Samy Dana dá dicas


24/05/2019 12:01 - g1.globo.com

Pergunta: "Estou em um buraco financeiro. Tenho emprego, mas gasto mais do que eu ganho e as minhas economias estão no fim. Como eu consigo reverter isso?" Está endividado? Samy Dana explica alternativas para melhorar saúde financeira



Prévia da inflação fica em 0,35% em maio, a maior para o mês desde 2016, aponta IBGE


24/05/2019 12:00 - g1.globo.com


Alta foi puxada pelo aumento de preços de remédios e combustíveis. No ano, IPCA-15 acumula alta de 2,27%; em 12 meses já chega a 4,93%. Gasolina foi o vilão da inflação em maio, segundo o IBGE Reprodução/TV Integração O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,35% em maio. Foi a maior para o mês desde 2016, quando ficou em 0,86%, aponta levantamento divulgado nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice perdeu força em relação a abril, quando ficou em 0,72%. No entanto, acelerou no indicador acumulado no ano (de 1,91% para 2,27%) e no acumulado em 12 meses (de 4,71% para 4,93%), que ficou acima do centro da meta estabelecida pelo governo. Remédio e gasolina De acordo com o IBGE, a alta da inflação em maio foi puxada, principalmente, pelo aumento dos preços da gasolina (3,29%), que exerceu o maior impacto individual sobre o indicador, e dos remédios (2,03%). Dos nove grupos de produtos pesquisados, Saúde e cuidados pessoais e Transportes foram os que tiveram as maiores altas, respectivamente de 1,01% e 0,65%, ambos com impacto de 0,12 pontos percentuais sobre o índice geral. No grupo de Saúde e cuidados pessoais, tiveram alta os planos de saúde (0,80%) e os artigos de higiene pessoal (0,62%), que também provocaram impacto relevante. Já o grupo dos Transportes sofreu pressão também do etanol (4%). Em contrapartida, a queda nos preços das passagens aéreas (-21,78%) ajudaram a conter o índice. Alimentação estável Depois de registrar alta de 0,92% em abril, o grupo de Alimentação e bebidas ficou estável em maio. Segundo o IBGE, embora a alimentação fora do domicílio tenha subido 0,48%, a alimentação no domicílio recuou 0,26%. As quedas mais notáveis foram do feijão-carioca (-11,55%), das frutas (-3,08%) e das carnes (-0,52%) e os principais alimentos em alta foram o tomate (13,08%) e a batata-inglesa (4,12%). O grupo de alimentação e bebidas é o que tem maior peso no índice da inflação. Ele responde por cerca de 25% das despesas das famílias no Brasil. Veja as variações dos 9 grupos pesquisados: Alimentação e bebidas: 0 Habitação: 0,55% Artigos de residência: -036% Vestuário: 0,38% Transportes: 0,65% Saúde e cuidados pessoais: 1,01% Despesas pessoais: 0,16% Educação: 0 Comunicação: -0,04% Deflação no Rio de Janeiro Das 11 regiões pesquisadas pelo IBGE, oito registraram desaceleração do IPCA-15 em relação ao mês anterior. O menor índice foi observado no Rio de Janeiro (-0,06%), única região que registrou deflação em maio, puxada pelas quedas nas passagens aéreas (-25,43%), na refeição fora de casa (-1,57%) e nas frutas (-6,38%). Já o maior resultado foi em Goiânia (1,10%), onde, além da alta nos preços da gasolina (9,85%) e do etanol (16,45%), houve também reajuste de 7,50% na tarifa de ônibus urbano (6,25%), vigente desde 19 de abril. Veja os índices de cada região pesquisada: Goiânia: 1,1% Belém: 0,56% Fortaleza: 0,51% Recife: 0,49% Belo Horizonte: 0,46% São Paulo: 0,35% Porto Alegre: 0,33% Curitiba: 0,32% Salvador: 0,31% Brasília: 0,11% Rio de Janeiro: -0,06% Perspectivas e meta de inflação A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está estacionada desde março do ano passado na mínima histórica de 6,5%. Os analistas das instituições financeiras projetam uma inflação abaixo do centro da meta do governo, mas, nesta semana, elevaram a estimativa de 4,04% para 4,07% em 2019, conforme mostrou o último Boletim Focus. Para 2020, eles mantiveram a expectativa em 4%. Educação Financeira: entenda o sistema de metas da inflação Metodologia Para o cálculo do IPCA-15, foram coletados preços no período entre 13 de abril e 15 de maio, e comparados com aqueles vigentes entre 16 de março e 12 de abril. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, considerado a inflação oficial do país. A diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.



Proteínas, minerais e vitaminas: queijo traz benefícios para saúde, mas exige cuidados


24/05/2019 11:32 - g1.globo.com


Especialista em nutrição funcional, nutricionista detalhou como o produto mexe com a dieta e o bem estar das pessoas. Que o queijo é uma deliciosa iguaria, que se encaixa nos mais diversos tipos de prato, muita gente já sabe. Mas quais são os benefícios dele para a saúde? É possível fazer dieta e continuar comendo queijo? Ele deve ser evitado em alguma situação? O G1 foi atrás de repostas para estas e muitas outras perguntas e conversou com a médica Ana Carolina Palmutti, especialista em nutrição funcional que confirmou: o queijo traz benefícios para a saúde, mas também exige cuidados em algumas situações. Até junho, o G1 apresenta o especial “Minas dos Queijos”, que mostra a tradição da produção de queijo no Sul de Minas. As reportagens trazem os detalhes da produção industrial e artesanal nas cidades da região, a influência europeia na fabricação do produto e a luta de produtores artesanais em busca de regulamentação e reconhecimento para produzir e vender para todo o país. O especial traz também dicas de harmonização e culinária envolvendo as diversas nuances do queijo. E uma dessas nuances é justamente a maneira como ele se encaixa na dieta das pessoas. Muita gente acha que o queijo é muito calórico e deve ser evitado nas dietas, mas para a nutricionista isso não é necessariamente verdade. O que é preciso, realmente, é que haja um equilíbrio para que a pessoa possa seguir com o objetivo do plano alimentar, seja para emagrecer, seja para ganhar massa. "O queijo tem muita proteína, então é uma fonte proteica de alto valor biológico. Toda vez que a gente faz um planejamento de dieta, a gente tem que considerar os teores de gordura, de proteína. E o queijo contribui para esses nutrientes. Então a gente calcula, isso é programado dentro desse cálculo que é individual. E a gente consegue ter o queijo sem ser vilão", explica. Além disso, segundo Ana Carolina, dizer que um leite é mais calórico ou tem mais gordura simplesmente por ser mais ou menos amarelo também é um mito. "A coloração dos queijos não quer dizer somente sobre teor de gordura. Às vezes tem alguns corantes que eles colocam na massa, às vezes tem a ver com teor de betacaroteno, que é um nutriente que também tem no leite. Então não necessariamente quer dizer gordura", diz. Ana Carolina Palmutti é especialista em nutrição funcional Régis Melo Vitaminas, mineirais e o cálcio Conforme a Associação Brasileira das Indústrias do Queijo (Abiq), a maioria dos queijos tem diversas vitaminas, com destaque para A, B, B12, D e K2. Mas são os mineiras que ganham mais destaque, em especial o cálcio e o fósforo. No entanto, segundo a nutricionista, apesar do queijo ter muito cálcio, proveniente do leite usado na massa, a absorção dele pelo corpo é baixa, uma vez que o fósforo, também presente em grande quantidade, "bloquear" a entrada do cálcio no organismo. "Quimicamente cálcio e fósforo não entram no mesmo receptor de absorção no intestino. O fósforo tem uma valência maior e ele passa na frente. Então quase sempre tem-se muito cálcio, mas pouco biodisponível. A biodisponibilidade é o quanto de fato aquele cálcio é absorvido e utilizado pelo organismo", ressalta. Para Ana Carolina, é também um mito de que o queijo tenha mais cálcio do que o leite. "Não é pelo fato de usar mais leite que terá mais cálcio. Então, de alguma forma, a quantidade é razoável, mas não é maior quando comparada ao leite", diz. Queijo é fonte de vitaminas e minerais Portal do Queijo Baixa lactose na maturação De acordo com a Abiq, a lactose (espécie de açúcar do leite) tende a ser baixa em queijos maturados e é alta em queijos frescos. Essa característica é ligada diretamente ao tempo de maturação, umas vez que quanto mais tempo os queijos são curados, menor é a taxa apresentada no produto final. Ainda conforme a associação, o teor de carboidratos do queijo é muito variável, dependendo basicamente da quantidade de litros de leite que são empregados para produzir um quilo - um queijo artesanal, por exemplo, muitas vezes leva entre 10 e 15 litros, enquanto um queijo Minas leva entre 5 e 7 litros. Segundo Ana Carolina Palmutti, quanto mais tempo esse queijo ficar in natura, ou seja, maturando naturalmente, mais a lactose vai ser fermentada, se transformando em glicose e galactose. Com isso, o queijo pode chegar a ser zero lactose naturalmente. No entanto, em casos de dietas de restrição, ou seja, para quem é totalmente intolerante à lactose, a solução mais comum são os queijos com o selo "lacfree", que atestam que ele teve a injeção de lactase, enzima que vai fazer esse processo de fermentação artificialmente, garantindo a transformação das moléculas. "Dependendo do grau de intolerância à lactose, às vezes aceita-se esses maturados por mais tempo, porque o teor fica muito pouquinho e às vezes o paciente tolera. Agora para os pacientes que a tolerância é quase nada, aí precisa ser os específicos, que são os lacfree", afirma a nutricionista. Queijo maturado tem menos lactose Régis Melo Presença de gordura A maioria dos queijos, sejam eles artesanais ou industriais, não possui gordura trans, que é usada pela indústria alimentícia para aumentar o sabor e o tempo de conservação dos produtos. Ela normalmente aparece somente em queijos processos processados e é prejudicial à saúde por elevar os níveis de colesterol ruim, a Lipoproteína de Baixa Densidade (LDL) , e diminuir o colesterol bom, a Lipoproteína de Alta Densidade (HDL). Os queijos, possuem, então a chamada gordura saturada, que muitas vezes é ligada também ao aumento do colesterol. No entanto, segundo a nutricionista, o efeito pode variar de pessoa para pessoa. "Atualmente não é uma questão mais absoluta, entre gordura saturada e aumento de colesterol. Então isso depende de fatores genéticos. Realmente algumas pessoas são mais propensas a terem essa sensibilidade à gordura saturada e aumentar o colesterol. Mas existem pessoas que podem consumir mais queijo e não terá nenhuma influência nos níveis", explica Ana Carolina. Segundo a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), essa gordura saturada é "fonte de energia para o corpo" e fundamental para "para a absorção de vitaminas e proteínas e também para a síntese de determinados hormônios sexuais". No entanto, é preciso respeitar o limite recomendado na dieta. O teor de gordura ainda varia muito entre os mais diversos tipos do produto. Entre os tipos mais consumidos no Brasil, o gorgonzola é citado como o mais gorduroso, seguido de provolone, prato e parmesão. Além dele, o cream chesse, processado, também apresenta altos índices. "É um queijo extremamente gorduroso. Principalmente nessas versões mais naturais, tem muita gordura. A gente tem as versões mais lights, que daí tem uma redução, às vezes de 25% da gordura, e aí seria mais interessante", diz a médica. Queijo tem diversos teores de gordura Régis Melo Relação com enxaqueca Outro ponto apontado por especialistas é a presença de tiramina, presente também em diversos outros produtos, como bebidas alcoólicas e pães. A substância é considerada um dos gatilhos para a enxaqueca e deve ser evitada. "Gera essa constrição do vaso, às vezes vai liberar algumas substâncias que são inflamatórias. Então para quem tem sensibilidade à tiramina, com certeza vai ter enxaqueca com o queijo", salienta a nutricionista. De acordo com Ana Carolina Palmutti, pacientes com enxaqueca normalmente vão ter a restrição, que varia conforme o nível de sensibilidade da pessoa. "90% vai ter uma restrição. Porque a tiramina faz a sinalização química para dar enxaqueca. Pode ser mais fraca ou mais acentuada, mas provavelmente vai gerar [dor de cabeça]". Ana Carolina Palmutti é especialista em nutrição funcional Régis Melo Então qual queijo é mais recomendado? Seguindo a linha de nutrição funcional, Ana Carolina diz que o subproduto de leite cru é mais natural, tendo menos aditivos químicos. Então nesse sentido, seria mais indicado do que os que utilizam leite pasteurizado. Além disso, diz que o ponto de maturação também vem interferir na dieta. "Hoje a recomendação mais atual que a gente tem é para buscar os de meia cura. Porque aí realmente são mais funcionais, passam por aquele processo mais natural de desnaturação de caseína, de fermentação de lactose, então torna-se um queijo menos agressivo, com menos aditivos químicos", salienta a nutricionista "O queijo curado é mais funcional do que o queijo branco. Então essas mudanças que acontecem durante o processo de maturação deixam ele um pouco mais saudável, mais funcional para a saúde. Não quer dizer que engorda mais ou menos, mas é menos agressivo", conclui. Queijos meia cura é o mais indicado pela nutricionista Lucas Soares/G1 Veja mais notícias da região no G1 Sul de Minas



Confiança do comércio cai e volta a nível de setembro de 2018


24/05/2019 11:04 - g1.globo.com


A queda do índice ocorreu tanto nas expectativas quanto nos indicadores do momento presente. Comércio de MS Reprodução/TV Morena O índice que mede a confiança do comércio recuou 5,4 pontos em maio, passando de 96,8 para 91,4 pontos, retornando ao mesmo nível de setembro de 2018, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). A confiança caiu em 11 dos 13 segmentos. A queda do índice ocorreu tanto nas expectativas quanto nos indicadores do momento presente. O Índice de Expectativas voltou a registrar valor abaixo de 100 pontos (94,8 pontos em maior) ao cair 6,6 pontos, pior valor desde setembro de 2018 (93,2 pontos). O Índice de Situação recuou 4,0 pontos para 88,3 pontos, menor valor desde janeiro do ano passado. De acordo com Rodolpho Tobler, Coordenador da Sondagem do Comércio da FGV IBRE, a volta da recuperação da confiança ainda depende da redução dos níveis de incerteza, dos números mais positivos do mercado de trabalho e da retomada da confiança do consumidor. “A nova queda expressiva da confiança do comércio sugere que os empresários do setor ainda estão encontrando dificuldades com o ritmo de vendas no segundo trimestre. Os indicadores de situação atual refletem o fraco desempenho da atividade no início de 2019. Ao mesmo tempo, os empresários continuam revendo suas expectativas, resultado de uma frustração com o cenário apresentado até agora”, avalia. Fatores limitantes Segundo a pesquisa, os fatores políticos estão limitando a melhora do ambiente de negócios do setor e levam empresas a ter cautela na hora de planejar os próximos meses. O percentual de empresas citando fatores políticos como uma limitação ficou em 6,7%, o maior desde outubro passado, quando registrou 9,4%, época das eleições presidenciais no país.



Governo autoriza PF a chamar mais que o dobro de aprovados em concurso


24/05/2019 10:48 - g1.globo.com


A maior parte das vagas a serem preenchidas são para agente (229), delegado (169) e escrivão (68). Agenda da PF em Três Cachoeiras Polícia Federal/divulgação O governo federal autorizou a nomeação de 1.047 candidatos aprovados no concurso público da Polícia Federal, mais que o dobro das vagas previstas no edital lançado no ano passado. Segundo o decreto, publicado no Diário Oficial da União, são 500 aprovados e classificados dentro do quantitativo de vagas originalmente previsto para pronto provimento e 547 aprovados e não classificados dentro do quantitativo de vagas originalmente previsto no edital (veja abaixo o número de vagas para cada cargo). A maior parte das vagas a serem preenchidas são para agente (229), delegado (169) e escrivão (68). O provimento dos cargos ficará condicionado à existência de vagas na data da nomeação; e declaração do ordenador de despesa sobre a adequação orçamentária e financeira da nova despesa com a Lei Orçamentária Anual e a sua compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Vagas autorizadas a serem preenchidas, que vão além do quantitativo de vagas previstas no edital: Delegado de Polícia Federal: 169 Perito Criminal Federal - Área 1: 7 Perito Criminal Federal - Área 2: 6 Perito Criminal Federal - Área 3: 30 Perito Criminal Federal - Área 4: 3 Perito Criminal Federal - Área 5: 3 Perito Criminal Federal - Área 6: 6 Perito Criminal Federal - Área 9: 2 Perito Criminal Federal - Área 12: 3 Perito Criminal Federal - Área 14: 4 Agente de Polícia Federal: 229 Escrivão de Polícia Federal: 68 Papiloscopista Policial Federal: 17 O concurso O edital foi lançado em junho de 2018 para 500 vagas: 180 para agente, 150 para delegado, 80 para escrivão, 60 para perito criminal e 30 para papiloscopista. Os salários são de R$ 11.983,26 para agente, escrivão e papiloscopista e de R$ 22.672,48 para perito criminal e delegado. As vagas são, preferencialmente, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e em unidades de fronteira.



A história e as estratégias da Natura, empresa brasileira que comprou a Avon


24/05/2019 10:34 - g1.globo.com


Aquisição da empresa americana cria gigante do setor de cosméticos e das vendas diretas. Loja da Natura em shopping de Salvador Ilana Bessler/Divulgação Quase 80 anos separam o início da história de duas gigantes do setor de perfumaria e cosméticos, a brasileira Natura e a americana Avon - que agora se juntam para formar uma espécie de Ambev do setor, operação originada em 1999 com a fusão das cervejarias Antarctica e Brahma e que hoje reina no segmento de bebidas. Compra da Avon pela Natura criará grupo líder na venda direta; previsão é que 68% das vendas serão fora do Brasil Imaginar que uma pequena loja inaugurada em 1969 na Rua Oscar Freire, em São Paulo, adquirisse musculatura suficiente para comprar a gigante Avon, com 133 anos de história, era impensável naquela época. A história que levou a Natura a esse feito, criando uma companhia avaliada em R$ 40 bilhões, focada em venda direta de produtos e em posicionamento socioambiental. A holding Natura & Co passará a ser líder global em vendas diretas, com cerca de 6,3 milhões de consultores. Fundada por Luiz Seabra e Jean-Pierre Berjeaut, inicialmente como Indústria e Comércio de Cosméticos Berjeaut, a empresa meses depois adotou o nome de Natura. O negócio só deslanchou em meados dos anos de 1970 com o fechamento da loja na badalada Oscar Freire, a adoção do sistema de vendas diretas e, em 1979, a chegada de Guilherme Leal à sociedade. Quatro anos depois, o empresário Pedro Passos completou o grupo que levou à construção de uma marca hoje global. Leal, por sua vez, já era consagrado no meio empresarial, quando, na corrida presidencial de 2010, aceitou ser vice-presidente na chapa de Marina Silva (na época, pelo PV). O executivo chegou a investir milhões em recursos do próprio bolso na chapa, sem resultado efetivo. Em delação premiada, o ex-presidente da construtora OAS acusou Leal de ter participado de um esquema de financiamento ilegal de campanha, com caixa dois. A acusação, no entanto, não resultou em denúncia. Em 2017, em entrevista à BBC News Brasil, negou as acusações e disse não se arrepender da candidatura, mas agregou que nunca mais participaria diretamente da política. Abertura de capital Por coincidência, o feito da Natura ao adquirir a centenária Avon ocorre às vésperas de completar 15 anos de outro movimento ousado da empresa brasileira, a oferta de ações na Bolsa (na época Bovespa, hoje B3), em 26 de maio de 2004. Naquele momento, o mercado acionário não era dos mais convidativos, com poucas empresas e amargando dois anos sem qualquer IPO (abertura de capital). Além disso, a Natura foi direto para o Novo Mercado, destinado a listar empresas com práticas diferenciadas de boa governança corporativa e que, na ocasião, contava com apenas duas companhias. A construção de uma marca forte passou exatamente por práticas voltadas à biodiversidade, antecipando uma tendência hoje tão em voga, de construção de marcas com base em ações que reforcem seu engajamento com públicos ou causas demandadas pela sociedade. Em 2000, a Natura lançou uma linha que incorpora ingredientes da biodiversidade brasileira à formulação de seus produtos. Em 2006, baniu os testes de produtos e de ingredientes em animais e, no ano seguinte, criou o Programa Carbono Neutro, com metas de redução das emissões de gases de efeito estufa em toda a cadeia produtiva. Desde 2010, a empresa conta também com o Instituto Natura, de apoio à educação pública. Outra inovação atribuída à Natura é o uso de refil para suas embalagens. A compra da Avon pela Natura ocorre após a aquisição de outras duas marcas estrangeiras: a britânica The Body Shop e a australiana Aesop, como parte do projeto de internacionalização da companhia, iniciado em 1982 pelo mercado chileno e depois expandido para toda a América Latina, parte da Europa e EUA. "O movimento consolida o projeto da Natura de ser um player global atuando agora com mais força em mercados como Leste Europeu e mesmo na Ásia, em que a Avon tem presença marcante", comenta Andres Estevez, analista de varejo do Banco Plural. Hoje, só como exemplo do potencial da aquisição feita pela Natura, 8% da receita da Avon vêm da Rússia e 11%, do México. Juntas, Natura e Avon passam a ser a quarta maior empresa do segmento no mundo pelo critério de receita líquida. Antes, isoladamente, nenhuma delas figurava entre as 10 maiores. Musculatura e dívidas Além disso, a compra da Avon agrega potencial ao negócio tanto do ponto de vista mercadológico quanto de valores. Ao longo do tempo, e em parte pelo forte investimento em inovação e projetos socioambientais, a Natura foi construindo sua marca junto a um público de melhor poder aquisitivo. Agora, com a compra da americana, ganha musculatura suficiente para reforçar seu posicionamento em nichos do mercado voltados a produtos de preços de mais baixos do que os praticados por suas marcas. Essa estratégia apareceu no comunicado divulgado na quarta-feira (22/5) pela companhia, ao informar que um dos objetivos é "atender seus diferentes perfis de clientes, em diversos canais de distribuição, expandindo sua atuação para novas regiões". Do ponto de vista de imagem, enquanto a Natura se fortaleceu com ações voltadas à biodiversidade, a Avon tem como marca o empoderamento das mulheres. "É possível que a Natura dê uma polida no posicionamento da Avon, mas há uma complementaridade de imagem importante com a aquisição da americana que sempre se posicionou ao lado do público feminino e a favor de seu empoderamento, espaço em que a Natura não é tão forte", comenta Estevez. A expectativa pelo fechamento da operação, acompanhada desde o ano passado pela imprensa, foi marcada por algumas preocupações do mercado. A principal tinha como foco a estratégia da Natura de se alavancar para fazer aquisições e crescer no exterior. A aquisição mais recente, da The Body Shop em 2017, que pertencia à L'Oréal, foi avaliada em perto de 1 bilhão de euros. Um ano antes, havia concluído a compra das ações da Aesop, operação iniciada em 2013. Na época, a Natura divulgou em teleconferência que levaria quatro anos para voltar ao nível de endividamento pré-aquisição. O mercado acionário não perdoou e as ações da empresa caíram na bolsa. Só no dia 08 de junho de 2017, após divulgada a operação, recuaram mais de 7%. Até agora, a Natura vinha contraindo dívida para adquirir as empresas, em níveis considerados altos por analistas de mercado. O receio era de que a empresa piorasse o nível de endividamento para a compra da Avon. O modelo adotado pela Natura para adquirir a Avon surpreendeu: ficou acertada a troca de papéis das duas companhias e o desembolso de US$ 530 milhões para parte dos acionistas da empresa americana. Os atuais sócios da Natura terão 76% de participação. Os restantes 24% ficarão nas mãos dos atuais acionistas da Avon. Caberá aos acionistas da Avon 0,30 de cada ação da nova Natura Holding. Outros dois pontos de alerta são citados nas avaliações da mais recente aquisição. Um deles é a dificuldade de integração de duas companhias tão grandes, como Natura e Avon. A mesma dúvida pairava sobre o negócio com a The Body Shop, mas em uma proporção bem menor. O outro questionamento do mercado faz referência a uma possível sobreposição das consultoras da Natura com as revendedoras da Avon - as duas empresas construírem seus modelos de negócios com base na venda direta, no começo porta-a-porta e agora reforçado pelo comércio online. As consultoras permanecem respondendo pela principal força de venda da Natura, mas, com um mercado cada vez mais competitivo, a empresa nos últimos anos vem investindo em pontos físicos. A primeira foi em 2016, para muitos com certo atraso, mas neste ano chegam a 38 em todas as regiões do país. A nova empresa passa a contar, globalmente, com perto de 6,3 milhões de "consultores de beleza", mas no Brasil, segundo Andres Estevez, a holding tem em comum 482 mil revendedoras. "Isso mostra o potencial ainda maior de colocação dos produtos no mercado." Os números da empresa são grandes: 3,2 mil lojas, faturamento bruto anual superior a US$ 10 bilhões, mais de 40 mil colaboradores e presença em cem países. Como ocorreu com outros gigantes que surgiram da união de concorrentes, como BRFoods (Sadia e Perdigão), Ambev (Brahma e Antarctica), a operação será avaliada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão do governo que analisa se aquisições e fusões de empresas prejudicam a livre concorrência de mercado.



Site monta 'consultas secretas' que mostram dados abertos no Facebook


24/05/2019 10:00 - g1.globo.com


Consultas da Graph Search podem revelar e associar informações na rede social. Site apenas constrói consultas na barra de pesquisa do Facebook, revelando conjunto de informações públicas indisponíveis na tela de pesquisa da rede social. Reprodução O Facebook possui uma poderosa ferramenta de busca capaz de listar e associar diversas informações na rede social. São telas que mostram tudo que alguém curtiu, todas as publicações em que foi marcado, todas as pessoas que trabalham em determinada empresa e curtem alguma página. Todo esse poder, no entanto, está escondido: não existe opção para realizar essas pesquisas na rede. Essas pesquisas não mostram nenhuma informação que você não tenha acesso. Por exemplo, se alguém configurou o local onde trabalha apenas para ser visto por amigos e você não é amigo dessa pessoa, esse usuário não vai constar na pesquisa pelo local de trabalho. Porém, quem deixou qualquer informação aberta para o público pode ser pesquisado — e muita gente não imagina que os dados possam ser pesquisados dessa forma. Um exemplo dessas buscas é esta, que mostra todas as pessoas que curtiram a página da Prefeitura de São Paulo e também curtiram a página do G1. O pesquisador de segurança belga Inti De Ceukelaire criou o site Stalkscan para expor algumas das opções secretas de pesquisa do Facebook. O site redireciona todas as pesquisas para o próprio Facebook e não guarda ou obtém nenhuma informação. Para usar o site, é preciso primeiro colocar o link de um perfil no formulário ao topo da página e, em seguida, clicar no ícone da lupa para definir o perfil a ser pesquisado (veja como usar o site passo a passo abaixo). Em seguida, basta clicar em alguma das opções da página para ver todas as publicações em que o perfil escolhido foi marcado, as fotos e vídeos curtidas ou os lugares visitados. O Facebook foi procurado para comentar o caso, mas a empresa não explicou por que essas opções de pesquisa existem, nem o motivo de elas não estarem disponíveis na própria interface do site. A empresa apenas destacou que a privacidade é uma "prioridade" e que as pessoas têm total controle sobre o que compartilham no site, podendo alterar a qualquer momento quem pode ver as publicações. O criador do Stalkscan conversou com o blog Segurança Digital e conta que levou apenas um fim de semana para criar a página para o Dia de São Valentim (o "Dia dos Namorados" de vários países) de 2017. A proposta era permitir que as pessoas pudessem conferir o comportamento do "crush" na rede social. Ceukelaire explica que essas pesquisas avançadas, chamadas de "Graph Search", foram criticadas em 2013 e 2014, obrigando o Facebook a removê-las da página oficial. As consultas continuaram funcionando apenas para usuários de língua inglesa que digitassem a pesquisa em sua barra de busca, em inglês. A pesquisa interpreta a linguagem natural e retorna resultados. "Essa é a minha primeira crítica. Por que usuários de língua inglesa podem ver mais informações? Além disso, construtores de consultas não oficiais permitem consultas mais complexas que nem mesmo a pesquisa por língua natural entende", explica o pesquisador. Essas "consultas complexas" incluem coisas como: quem diz trabalhar para um partido e curte membros de outros partidos, todos comentários ou curtidas deixadas em páginas específicas ou em perfis específicos e assim por diante. O Stalkscan não permite montar essas consultas complexas. Embora não mostrem mais informações, elas permitem chegar a dados mais específicos. O pesquisador alerta que, como a ferramenta exibe todas as informações acessíveis para quem usa a pesquisa, não adianta tentar usá-la com a própria conta logada para ver quais das nossas informações estão visíveis publicamente. Quem pesquisar o próprio perfil e estiver logado na conta verá publicações limitados a amigos e até dados que estiverem configurados com a privacidade "Somente eu". Não é possível usar o site sem ter um cadastro no Facebook, então é preciso pedir que outra pessoa faça a consulta. "Eu não sei por que a Graph Search ainda está disponível. Só vejo que ela é frequentemente abusada. Meu site tem meio milhão de visitas por mês. Acho que eles querem competir no mercado de pesquisas com o Google, mas o que eles não entendem é que não se pode fazer um mecanismo que pesquise as pessoas, seus comportamentos e características. Isso é repugnante", afirma o pesquisador. Para Ceukelaire, o Facebook não se importa com a privacidade das pessoas. "É só uma estratégia de relações públicas", afirma. Embora o site Stalkscan não seja bloqueado pelo Facebook, a página pessoal do pesquisador produz um alerta de conteúdo proibido quando um link é enviado pelo Messenger ou publicado na rede. O Facebook não comenta suas razões específicas para realizar esses bloqueios. É possível se proteger? Não existe um meio para impedir que a pesquisa do Facebook esconda informações que estão acessíveis publicamente. As seguintes medidas podem ser tomadas para reduzir a exposição na pesquisa: Marcar informações no perfil para "Somente amigos" ou "Somente eu". Com a opção "Somente amigos", amigos que pesquisarem esses dados ainda enxergarão esses dados. A lista de páginas curtidas e a lista de amigos inibem algumas opções da pesquisa. A opção "Limitar publicações anteriores" permite modificar em massa a privacidade de publicações antigas. Não é possível impedir que pessoas vejam a lista de publicações públicas que você curtiu ou comentários que fez. Você pode utilizar o Stalkscan para verificar essas publicações e apagar seus comentários e cancelar suas curtidas, se desejar. Se você não está de acordo com essa exposição, a única saída, no momento, é apagar o perfil do Facebook. Como usar o Stalkscan Topo da página do Stalkscan. Reprodução No topo da página do Stalkscan, coloque o endereço do perfil a ser pesquisado. O endereço deve estar no formato "https://facebook.com/[nome do perfil]". O perfil pode ser também uma página, permitindo que você veja comentários e curtidas feitas em nome da página. Clique no ícone da "lupa". Isso vai definir o perfil a ser pesquisado. O site retornará uma mensagem dizendo que o perfil foi carregado ("loaded"). Uma vez que o perfil foi escolhido, as opções de pesquisa na parte inferior da página podem ser clicadas. Na primeira coluna (em "Profile") é possível escolher opções como posts, eventos e grupos. Essas pesquisas retornarão as respectivas informações do perfil carregado. Opções do Stalkscan Reprodução Na segunda coluna, é possível ver fotos, vídeos e publicações em que o perfil foi marcado. Em seguida, os comentários deixados em fotos, vídeos ou publicações, as fotos, vídeos e publicações curtidas e os lugares visitados. A última coluna é um atalho para pesquisas disponíveis no próprio site do Facebook, como a lista de amigos e páginas curtidas. Essas pesquisas não funcionarão se a pessoa pesquisada optou por ocultar esses dados. Todos os links vão abrir uma janela do Facebook com a pesquisa. Nenhum dado ou informação é coletado ou transmitido por meio do Stalkscan. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1



Produtores de café enfrentam crise 'sem precedentes', diz presidente de comissão da CNA


24/05/2019 08:30 - g1.globo.com


Dia nacional do grão é celebrado nesta sexta-feira. Segundo Breno Mesquita, a safra recorde de 2018 provocou queda no preço da saca. Minas Gerais é o maior produtor de café do Brasil, diz Faemg. Magda Oliveira/G1 Cafeicultores de Minas Gerais, estado responsável por 54% da produção do grão no país, estão preocupados com a queda no preço da saca. O valor do produto exportado pelo Brasil caiu 19,1% em abril em relação ao mesmo período de 2018, passando de US$ 153,89 para US$ 124,47 por saca, segundo o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). “O setor enfrenta uma crise sem precedentes no Brasil. Por causa da alta na oferta do ano passado por causa da safra, o preço caiu bastante”, disse o vice-presidente de finanças da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e presidente da comissão do café da Confederação Nacional da Agricultura (CNA). No ano passado o Brasil produziu 61,7 milhões de sacas, 37,1% a mais que a safra anterior. Só Minas Gerais foi responsável por 33,4 milhões deste montante. Dos 853 municípios do estado, 607 cultivam o grão. Uma em cada cinco xícaras de café consumidas no mundo sai de Minas Gerais, segundo a Faemg. Saiba quais são os 5 pecados mais cometidos na hora de fazer café “As condições climáticas e a posição geográfica de Minas Gerais facilitam a produção de uma grande variedade de cafés de qualidade e seu escoamento”, disse Breno. “É preciso que a importância do setor seja reconhecida. Por isso estamos discutindo com o poder público uma saída para essa crise do preço”, falou. Em 2018, Minas exportou 83,5% do cafés produzido. Alemanha, Estados Unidos e Itália foram os principais compradores. As exportações movimentaram cerca de US$ 3,5 bilhões.



SpaceX lança primeiros satélites para rede que vai prover internet do espaço


24/05/2019 07:18 - g1.globo.com


Um foguete Falcon 9 da empresa decolou de Cabo Canaveral, na Flórida, com 60 satélites. Empresa tem Elon Musk, da Tesla, em seu comando. Falcon 9 da SpaceX é lançado com 60 satélites em Cabo Canaveral, na Flórida, na quinta (23) Malcolm Denemark/AP A SpaceX lançou nesta quinta-feira (23) os primeiros 60 satélites de seu sistema "Starlink", cujo objetivo é prover Internet a partir do espaço. Elon Musk, que também é dono da montadora de carros elétricos Tesla, é quem está por trás da empresa espacial. Em 2018, o empresário chegou a enviar um carro Roadster para o espaço, durante o lançamento do 'superfoguete' Falcon Heavy. SpaceX anuncia contrato para levar ao espaço 1º turista para voar ao redor da Lua Um foguete Falcon 9 da empresa decolou de Cabo Canaveral, na Flórida, por volta das 22h30 local (23h30 em Brasília). Os satélites começaram a ser liberados uma hora após o lançamento, a uma altitude de 440 km, e usarão seus próprios propulsores para se posicionar em uma órbita relativamente baixa, a 550 km. Elon Musk anunciou o sucesso da operação por meio de seu Twitter. "Implementação bem-sucedida de 60 satélites Starlink confirmada", disse Musk. Initial plugin text Inicialmente, o lançamento estava previsto para a semana passada, mas foi adiado devido à necessidade de atualizações de um software. Cada satélite pesa 227 kg e foi construído em Redmond, na região de Seattle. Imagem mostra lançamento de foguete Falcon 9 com 60 satélites Starlink da SpaceX SpaceX / via AFP Photo SpaceX na corrida espacial A empresa do magnata Elon Musk lidera a corrida espacial privada. Musk espera captar entre 3% e 5% do futuro mercado global, o que poderá render à SpaceX US$ 30 bilhões ao ano, dez vezes mais do que arrecada com o lançamento de foguetes. SpaceX leva cápsula à Estação Espacial Internacional, em parceria com a Nasa A SpaceX obteve aprovação do governo dos Estados Unidos para lançar até 12 mil satélites, em diferentes níveis de órbita, mas Musk avaliou na véspera que mil serão suficientes para que o sistema seja "economicamente viável". A Starlink começará a funcionar assim que forem ativados 800 satélites, o que exigirá uma dúzia de lançamentos. "Acredito que dentro de um ano e meio, talvez dois, se as coisas forem bem, é provável que SpaceX tenha mais satélites em órbita que todos os demais satélites combinados", disse Musk na semana passada. Atualmente, há cerca de 2.100 satélites ativos orbitando a Terra, além de milhares já inativos. Para reduzir o risco de acidente com outros satélites, cada equipamento da Starlink contará com tecnologia contra colisão, segundo a SpaceX. Para receber o sinal de Internet da SpaceX os usuários precisarão de uma antena que "basicamente se parece com uma pizza média", disse Musk. Em 2018, SpaceX enviou Tesla Roadster para o espaço SpaceX via AP



Zuckerberg nega que desmantelar Facebook solucione problemas da rede social


24/05/2019 00:56 - g1.globo.com


Um dos co-fundadores da rede social e uma das pré-candidata democratas à presidência defendem desmontar grandes grupos tecnológicos que consideram poderosos demais. Mark Zuckerberg no encontro anual do Facebook neste mês, na Califórnia Stephen Lam/Reuters O diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, negou nesta quinta-feira (23) que um desmantelamento do grupo resolva os problemas relacionados ao conteúdo ou à privacidade dos usuários. "Nós estamos em um ambiente muito competitivo e muito dinâmico, onde os serviços aparecem constantemente", disse Zuckerberg, que novamente rejeitou qualquer acusação de monopólio. Remover o "conteúdo nocivo", "impedir a interferência nas eleições, garantir que tenhamos as ferramentas certas de confidencialidade", entre outras, são "para mim as questões mais importantes da sociedade de hoje" e "eu não acredito nisso (.. .) em desmantelar a empresa para resolvê-los", disse o criador do Facebook. Durante uma teleconferência dedicada aos últimos resultados trimestrais e à luta contra falsas contas, Zuckerberg disse que o Facebook pode "fazer coisas que as demais (empresas) não podem fazer", sugerindo que o desmantelamento de sua empresa impediria a luta efetiva contra esses problemas. Um dos co-fundadores do Facebook, Chris Hughues, e uma das pré-candidatas democratas à presidência, Elizabeth Warren, recentemente pediram para desmontar a empresa e outros grandes grupos tecnológicos que eles consideram poderosos demais, com tendências monopolistas. Zuckerberg reiterou sua defesa de uma regulação da Internet. "Eu não acho que apenas empresas tenham que tomar todas as decisões sobre o que pode ser visto ou não na Internet".



Trump prevê 'rápido' acordo comercial com China


23/05/2019 22:22 - g1.globo.com


Trump deve se encontrar com o presidente chinês, Xi Jinping, no próximo mês. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, previu nesta quinta-feira (23) um rápido final para a guerra tarifária com a China, mesmo sem conversas marcadas entre o alto escalão dos dois países desde que a última rodada de negociações acabou em Washington há duas semanas. "Está acontecendo, está acontecendo rápido e eu acho que as coisas provavelmente irão acontecer rápido com a China porque eu não posso imaginar que eles estejam satisfeitos com milhares de companhias deixando seu país para outros lugares", disse Trump durante discurso na Casa Branca, sem dar evidências desse êxodo. Trump prevê acordo comercial com a China Reuters Trump também afirmou que se encontrará com o presidente chinês, Xi Jinping, quando ambos forem à reunião do G20 no próximo mês, no Japão. Os dois países têm culpado um ao outro pela interrupção das conversas, que tinham o objetivo de encerrar as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo. EUA e China travam nova rodada da guerra comercial; entenda O presidente norte-americano discursou em uma coletiva de imprensa convocada por ele mesmo após costurar um plano desenvolvido por seu governo para promover ajuda a produtores agrícolas afetados pela guerra comercial, que os tem golpeado em particular. Depois de Trump impor tarifas sobre produtos chineses no ano passado, a China cortou as compras de soja dos EUA, deixando os produtores com os estoques lotados da commodity. Os chineses também retaliaram com tarifas sobre milho, carne de porco e outro produtos. "Os 16 bilhões de dólares em fundos ajudarão a manter nossas queridas fazendas prosperando e deixarão claro que nenhum país tem poder de veto na economia e na segurança nacionais dos EUA", afirmou Trump em declaração na Casa Branca.



Sem consenso, ANTT faz última audiência para discutir a nova tabela do frete


23/05/2019 21:32 - g1.globo.com

Setor produtivo voltou a criticar adoção do frete mínimo; caminhoneiros defenderam piso para o frete e cobraram mais A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) realizou nesta quinta-feira (23) a última audiência pública para discutir o novo modelo da tabela do frete mínimo para o transporte de cargas. Na reunião, caminhoneiros defenderam um piso para frete, mas criticaram a atuação da agência reguladora e alguns critérios usados na elaboração da nova tabela. Representantes do setor produtivo voltaram a criticar a adoção do frete mínimo e a atuação dos chamados atravessadores. O aumento da fiscalização para garantir o cumprimento da tabela foi um dos pontos cobrados pelos autônomos que participaram da audiência. Os caminhoneiros voltaram a defender a necessidade da fixação de um frete mínimo, mas criticaram alguns critérios usados na elaboração da nova tabela, como o custo de troca de pneu, considerado baixo, e também a velocidade média usada no cálculo (75 km/h), considerada alta. “O correto seria uma velocidade de 50 km/h ou 55 km/h”, afirmou Walace Landin, representante dos caminhoneiros autônomos. “O piso mínimo para nós, autônomos, é, na verdade, o piso máximo. Ninguém vai pagar mais do que o mínimo”, disse o caminhoneiro Jaime Pereira da Cunha ao defender a tabela. Um dos caminhoneiros também cobrou fiscalização da agência sobre a frota de transporte de cargas. Segundo parte dos caminhoneiros, apesar de a frota de caminhões ser maior que a necessidade do país, parte é de caminhões velhos e sucateados, que não teriam condições de transitar mas continuam nas estradas por falhas na fiscalização da agência. Indústria Alberto Nobre, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), criticou o frete mínimo e disse que desde que a tabela foi criada o setor produtivo vem pagando mais pelo frete e os caminhoneiros recebendo menos. “Nós estamos pagando mais pelo frete e os autônomos estão pagando menos. Alguém nesse meio está ganhando e nós sabemos quem é. Precisamos juntar essas pontes e trabalhar juntos”, disse. A crítica é aos chamados atravessadores, empresas que intermedeiam a contratação dos caminhoneiros autônomos. Isso ocorre porque a maioria dos caminhoneiros autônomos não tem CNPJ (cadastro de pessoa jurídica) o que não permite a contratação direta por uma indústria, por exemplo. “Precisamos simplificar o processo e desburocratizar o transporte de carga para aproximar o caminhoneiro da indústria. Pode ser transformando os caminhoneiros em MEI [microempreendedor individual], para todo mundo ter CNPJ, e criar um aplicativo para simplificar as documentações”, afirmou o diretor da CNI, Pablo Cesario. A nova tabela de frete precisa ser publicada até 20 de julho, mas antes precisa ser aprovada pela diretoria da ANTT. A tabela de frete mínimo foi criada no ano passado, após a greve dos caminhoneiros que bloqueou estradas brasileiras e comprometeu o abastecimento de combustível, medicamentos e alimentos em todo o Brasil.



Petróleo fecha em baixa em seu pior dia do ano


23/05/2019 20:52 - g1.globo.com

Estatísticas e comentários divulgados ao longo do dia geraram temor de um menor crescimento da economia mundial. O petróleo teve seu pior dia do ano nesta quinta-feira (23), em um contexto de aversão ao risco vinculado à persistente tensão comercial entre Estados Unidos e China. Em Nova York, o barril de WTI para julho perdeu US$ 3,51, a US$ 57,91. No mercado de Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para julho recuou US$ 3,23, fechando a US$ 67,76. Estatísticas e comentários divulgados ao longo do dia geraram temor de um menor crescimento da economia mundial, quando as duas maiores potências, China e Estados Unidos, estão envolvidas em uma guerra comercial sem fim à vista. O panorama "é decepcionante", disse John Kilduff, da Again Capital.



Em 60, 90 dias, reforma da Previdência 'estará no passado', diz Paulo Guedes


23/05/2019 20:20 - g1.globo.com


No início do ano, o governo esperava aprovar a reforma no primeiro semestre, mas a proposta ainda tramita na comissão especial da Câmara dos Deputados. O ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a reforma da Previdência em comissão na Câmara Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (23) que a reforma da Previdência deve ser aprovada num período de 60 a 90 dias. A alteração da legislação previdenciária é considerada a principal medida de ajuste fiscal do governo Jair Bolsonaro. A proposta apresentada pela equipe econômica prevê uma economia de R$ 1,2 trilhão em 10 anos. “Em 60, 90 dias, (a reforma) estará no passado”, afirmou Guedes durante a participação em evento em São Paulo. “Vamos ter uma surpresa favorável e aprovação deve ser relativamente rápida. Ao contrário do pessimismo geral, vamos ter uma reforma interessante.” No início do ano, o governo esperava aprovar a reforma no primeiro semestre, mas a proposta ainda tramita na comissão especial da Câmara dos Deputados. Os analistas já alertaram que a reforma da Previdência tem andado de forma mais lenta do que o esperado no Congresso e que a economia fiscal obtida com proposta deve ser menor do que o esperado. Nas últimas semanas, o mercado financeiro começou a dar sinais de preocupação com a agenda fiscal do governo. O dólar subiu para R$ 4, e bolsa de valores se afastou dos 100 mil pontos. Na avaliação de Guedes, esses sinais são “secundários”. “Todo dia tem um barulho, não se deixem levar por esses sinais”, disse. “Não vamos nos perder por briguinhas.” Outras medidas Depois de aprovada a reforma da Previdência, o ministro da Economia disse que vai lançar várias medidas de estímulos para a economia. Entre as medidas estudadas, o governo promete reduzir o preço do gás, promover uma reforma tributária e descentralizar recursos com Estados e municípios. “Se tem uma potência fiscal com a reforma, nós começamos depois a soltar as amarras fiscais da economia.” Com a economia apresentando sinais de fraqueza, o governo tem sido cobrado para adotar uma série de estímulos com o objetivo de buscar um crescimento maior. Hoje, os analistas estimam que o país deve crescer perto de 1% neste ano.